O que os governos do Sul ofereceram aos caminhoneiros

PR congelou base de cálculo do ICMS do diesel. SC e RS estudam o tema

Da Redação

redacao@amanha.com.br

No sétimo dia de paralisação, greve dos caminhoneiros interdita rodovias pelo Brasil

Até a manhã desta segunda-feira (28), o governo do Paraná foi o único do Sul a anunciar oficialmente a diminuição e o congelamento da base de cálculo do ICMS que incide sobre o óleo diesel. A partir de sexta-feira (1) a base para calcular o imposto será R$ 2,95 e o valor valerá por 90 dias. A redução é de R$ 0,25 sobre a base atual e deve representar uma queda de aproximadamente R$ 0,04 sobre o preço do combustível na bomba. A governadora Cida Borghetti também anunciou linhas de crédito com juros mais baixos para a compra de caminhões e de insumos para veículos pesados. Os financiamentos serão disponibilizados pela Fomento Paraná e Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE).  O presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, afirmou que o setor produtivo compreende e considera as manifestações legítimas, mas está apreensivo com a continuidade da greve. “No que depender do setor produtivo estamos juntos para buscar soluções”, afirmou. Ele, assim, como o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, pediu que as lideranças dos caminhoneiros considerassem uma trégua na paralisação.

Santa Catarina e Rio Grande do Sul, assim como os demais Estados, precisam confirmar a redução do preço do diesel anunciada pelo Petrobras no cálculo do Imposto sobre ICMS até o fim da tarde desta segunda-feira (veja mais detalhe aqui). Sobre a discussão de medidas relacionadas ao Estado na questão da greve nacional dos caminhoneiros autônomos, o governador gaúcho José Ivo Sartori assinalou que a tributação do ICMS sobre o óleo diesel no Rio Grande do Sul, cuja alíquota é de 12%, é a menor do Brasil, junto com Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Frisou que não serão adotadas medidas numa área complexa sem análise e discussão com responsabilidade. Na avaliação de Sartori, as dificuldades e problemas estão no cenário atual, agravadas pelo desabastecimento. O governador pediu serenidade à sociedade para que se olhe para o amanhã. “É preciso uma reflexão muito grande, inclusive para que na área eleitoral não tenhamos nenhuma aventura política neste ano“, ressaltou.

O governador Eduardo Pinho Moreira informou que Santa Catarina articula com o Rio Grande do Sul e o Paraná ações conjuntas que priorizem o diálogo com os caminhoneiros. O objetivo é garantir os serviços básicos, necessários à segurança e ao bem estar da população. Moreira salientou que a superação das dificuldades está sendo possível, porque o governo se antecipou e está articulado em todas as áreas. Ele também fez questão de ressaltar que o comitê de crise continua monitorando todas as movimentações e consequências geradas pelo movimento grevista. Entre as prioridades, citou a manutenção dos serviços nas áreas de segurança pública, educação e saúde. Outra preocupação constante é quanto à manutenção da biossegurança em relação ao agronegócio catarinense. Os presentes ao encontro relataram que houve avanços do sábado para o domingo nas negociações para que sejam mantidos os transportes de rações para o rebanho. "A sanidade animal é uma conquista de décadas de Santa Catarina. É algo que precisamos preservar, para manter o nosso status de excelência. Praticamente um terço da riqueza do nosso Estado vem desse setor", disse Moreira, durante a reunião do colegiado pleno.


leia também

Agroindústrias do PR e de SC retomam atividades - BRF já tem plantas funcionando. Armazenadoras de grãos do PR também

ANP: política de preços continuará sendo livre - Afirmação foi feita por Décio Oddone, diretor-geral da agência

Cade propõe medidas para reduzir preço do combustível - Sugestões envolvem questões regulatórias e tributárias

Cade: tabelar frete pode levar à formação de cartel - A fixação dos preços foi uma reivindicação dos caminhoneiros

Celulose Riograndense suspende produção em Guaíba - Perda é estimada em 6 mil toneladas de celulose ao dia

Ciergs entra com ação pedindo fim de bloqueio das estradas - Centro das Indústrias vê danos à economia e à população

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: