Mercado projeta déficit de R$ 138 bi nas contas públicas

Estimativa está abaixo da meta perseguida pelo governo

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Mercado projeta déficit de R$ 138 bi nas contas públicas

Instituições financeiras consultadas pelo Ministério da Fazenda projetam que o déficit primário do Governo Central, formado por Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, deve chegar a R$ 138,543 bilhões neste ano. A estimativa está abaixo da meta de déficit perseguida pelo governo de R$ 159 bilhões. Em abril, a projeção era R$ 136,103 bilhões. Os dados constam da pesquisa Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, com base em informações do mercado financeiro.

Para 2019, a previsão das instituições financeiras é déficit de R$ 105,929 bilhões, contra R$ 107,304 bilhões previstos em abril. A projeção da arrecadação das receitas federais este ano caiu de R$ 1,459 trilhão para R$ 1,453 trilhão, neste ano. Para 2019, a estimativa é R$ 1,576 trilhão, ante R$ 1,578 trilhão previsto anteriormente.

Para a receita líquida do Governo Central, a estimativa para este ano é R$ 1,219 trilhão, ante R$ 1,223 trilhão prevista no mês passado. No caso da despesa total do Governo Central, a projeção permaneceu em R$ 1,359 trilhão, em 2018. A pesquisa apresenta também a projeção para a dívida bruta do Governo Central, que, na avaliação das instituições financeiras, deve ficar em 75% do PIB neste ano. A previsão anterior era 74,9% do PIB. 


leia também

Governo Central tem menor déficit para maio em três anos - No mês passado, o resultado somou R$ 11 bilhões

Mercado financeiro eleva projeção de déficit público - Instituições preveem mais despesas e redução nas receitas

Mercado reduz projeção para déficit nas contas públicas - Previsão para a dívida bruta deve ficar em 76% do PIB

Previsão de déficit público cai para R$ 141 bilhões - A estimativa segue abaixo da meta do governo

Setor público registra déficit de R$ 110,6 bilhões - O resultado negativo é o menor desde 2014

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: