Randon tem melhor trimestre dos últimos três anos

A receita líquida deu um salto de 59% entre janeiro e março

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Randon tem melhor trimestre dos últimos três anos

A retomada, ainda que moderada, do consumo e dos investimentos no Brasil permitiu que a Randon tivesse o melhor trimestre dos últimos três anos, com avanços em todos os indicadores. A receita líquida consolidada alcançou R$ 921,6 milhões entre janeiro e março, um salto de 59% frente igual trimestre do ano passado (R$ 579,7 milhões). Diante do cenário mais favorável e por força das medidas de reestruturação da companhia, o lucro líquido foi de R$ 43,2 milhões. “Apesar do ano reservar componentes de incertezas diante das eleições e do ambiente político, o primeiro trimestre do ano mostra que o Brasil tem potencial de voltar a crescer”, analisa Geraldo Santa Catharina, diretor financeiro e de relações com investidores da companhia. 

A maior demanda por veículos pesados no mercado refletiu positivamente no volume de produção. Como consequência, houve expansão das receitas da Divisão Autopeças que cresceram 55,7% no trimestre. A Divisão Montadoras obteve crescimento ainda mais expressivo: 71,8%, impulsionado pelo aumento dos pedidos de implementos e pela concentração de entregas de vagões no período.

As empresas voltaram a renovar suas frotas em busca de maior eficiência e produtividade, o que tem contribuído para o crescimento dos volumes de implementos rodoviários vendidos no país. Neste trimestre, somando mercado interno e externo, foram vendidos 3.759 semirreboques (+55,1%), o que coloca o market share da Randon em 36,6%. Já no mercado ferroviário, apesar da redução do volume de investimentos previstos para 2018 pelas concessionárias de ferrovia, as vendas somaram  355 vagões (contra 169 unidades no primeiro trimestre de 2017).

Exportações
As vendas consolidadas para o mercado externo cresceram 19% e chegaram a US$ 36,8 milhões no primeiro trimestre, representando 13,4% da receita líquida consolidada no mesmo período. Desse total, 45,8% foram destinados aos países do Mercosul e 34,7% para o Nafta, mantendo desafiador os continentes europeu e africano, tanto para a venda de autopeças quanto para a de semirreboques. As boas oportunidades acenam do continente asiático, onde a unidade ampliada da Fras-le em Pinghu, na China, opera em plena capacidade de produção.  Santa Catharina vislumbra um futuro promissor para a Randon que, neste trimestre, agregou novas unidades industriais à sua força de produção. Na Divisão Montadoras, foram inauguradas a Randon Perú e a Randon Araraquara. Já na Divisão Autopeças, duas novas joint ventures já estão em operação: a Ask Fras-le e  Jurid do Brasil.

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: