Vendas de suplementos 60+ cresceram 22% em 2017

Poucos segmentos tiveram alta tão significativa ano passado

Por Martin Henkel

Vendas de suplementos 60+ cresceram 22% em 2017

Uma característica do novo consumidor 60+ é a consciência de que a “viagem está cada vez mais longa... e deliciosa no melhor dos sentidos”. E a única maneira de desfrutá-la da melhor forma é com saúde física e mental. Autonomia é a meta para aquela população que vai ultrapassar a marca do que se chama terceira idade ativa que na média vai até os 79 anos, na média.

Entre os bons culpados do aumento da expectativa de vida a OMS destaca o estilo de vida. Hábitos alimentares, prática de atividades físicas, relações sociais e afetivas, momentos de lazer e o ambiente em que a pessoa vive, entre outros fatores, estão diretamente relacionados ao bom estilo de vida que responde por 73% do impacto direto na longevidade. Dentro desse pacote, a alimentação tem grande importância e merece um cuidado especial já que o metabolismo se comporta de forma bem diferente do que se comportava na meia-idade. A suplementação nutricional é uma opção e caiu no gosto da população 60+ que precisa cada vez mais energia e proteínas. 

Observei que a categoria de suplementos nutricionais para a terceira idade obteve um incrível crescimento de 22% nas vendas no ano passado no canal farmácias. Em supermercados também fica evidente o crescimento pela simples observação do aumento do espaço dedicado aos itens. Geralmente esses produtos se encontram em locais muito altos nas prateleiras desconsiderando os aspectos antropométricos da população 60+ (média 1m59cm de altura para mulheres e 1m68cm para os homens). 

O mercado de consumo 60+ cresce a passos largos. As grandes empresas e marcas internacionais já se posicionaram e colhem resultados. Já viveram isto na Europa, vivem na América do Norte e aqui na América Latina e em especial no Brasil, não será diferente. A resposta e os caminhos estão na cultura do Aging in Market para marcas, produtos e serviços, o novo capítulo na ciência do consumo. 

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: