Moody’s eleva os ratings do Paraná

Estado está posicionado agora na linha de excelente avaliação

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Moody’s eleva os ratings do Paraná

A Moody’s, uma das maiores agências mundiais de classificação de risco, informou) que elevou os ratings do Paraná. Na escala nacional, o Estado pulou dois degraus e passou de A1.br para Aa2.br com perspectiva estável, ficando a dois níveis da nota máxima da agência. O Paraná possui a maior nota da escala nacional entre os Estados avaliados pela Moody’s. Com a nova classificação, o Estado está posicionado agora na linha de excelente avaliação e baixo risco de crédito. Também foi elevado o rating do Estado em escala global, de Ba3 para Ba2.

De acordo com a Moody’s, a melhora dos ratings do Paraná “reflete o histórico de superávits operacionais brutos sólidos, de quase 8% das receitas operacionais, em média, entre 2015 e 2017 e os níveis de endividamento que, após diminuírem consistentemente desde 2012, atingiram o nível baixo de 52,6% das receitas operacionais em 2017”. No mesmo texto, a agência acrescenta que “a elevação também reflete um perfil de liquidez confortável do estado do Paraná, cuja posição de caixa líquida (excluindo as obrigações financeiras) representava 16% das despesas anuais em dezembro de 2017”.

A Moody's classificou os títulos da dívida do governo do Brasil em Ba2, com perspectiva estável. O anúncio da Moody’s foi feito menos de um mês depois de outra agência também atestar a boa situação fiscal do Estado. Em março, a Fitch anunciou que manteve o rating nacional de longo prazo do Paraná em AA+ (bra) com perspectiva estável. Com isso, o Estado possui a melhor nota entre as unidades da federação avaliadas pela Fitch e está a apenas um degrau do nível AAA, que é o grau máximo de classificação de risco da agência.

Santa Catarina e Rio Grande do Sul não possuem rating atribuído pela Moody´s. O estudo para obtenção de rating é encomendado às agências de risco pelos governos de estados e municípios interessados em investimentos e financiamentos externos.

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: