Sartori afirma que o RS fez o que precisava ser feito

Governador abriu a edição anual do Tá na Mesa

Por Dirceu Chirivino

dirceu@amanha.com.br

Sartori afirma que o RS fez o que precisava ser feito

Como já é tradição, o governador José Ivo Sartori abriu o ano de palestras do tradicional Tá na Mesa, evento promovido pela da Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul). “Quando vim aqui pela primeira vez como governador, em 2015, falei sobre sementes de mudança. Hoje, no quarto ano do nosso governo, venho falar de uma semeadura que precisa continuar, mas também de sementes que já deram fruto – de mudanças que já estão acontecendo. O futuro do Rio Grande a gente faz agora”, enfatizou Sartori. Ele defendeu os interesses do Rio Grande do Sul e afirmou que “o futuro do povo está na frente de interesses partidários e siglas”. Disse que prefere entrar para a história como qualquer coisa, “menos mentiroso e desonesto”, lembrando as duras medidas que tomou desde o primeiro dia de mandato.

Além de rever as ações de governo, Sartori destacou que o Estado começa a notar uma “mudança no estado de espírito” e que os gaúchos apoiam as ideias de modernização definidas como “amargas”. Para o governador, o Rio Grande do Sul começa a colher alguns frutos de sementes lançadas há quase quatro anos e que agora germinam. “Se eu pensasse na popularidade estaria enganando a população por quatro anos. A travessia ainda não terminou, a caminhada é longa. Não é porque é um ano de eleições que vamos deixar de tomar atitudes , pois precisamos continuar arrumando a casa”, declarou. 

Segurança pública, infraestrutura e eleições de 2018 também fizeram parte do “cardápio” do Tá Na Mesa. No encerramento do encontro, a presidente da Federasul, Simone Leite, que mediou perguntas dos convidados, indagou ao governador sobre como seriam os próximos quatro anos, caso fosse reeleito.  Sartori disse que caberá ao novo governador “ter apoio político e social, além de muito jogo de cintura”. Ele ainda disse: “se eu não posso dizer sim, também não preciso dizer não”, quanto a concorrer ao Piratini novamente.


leia também

ALRS aprova adesão ao Regime de Recuperação Fiscal - A proposta teve 30 votos a favor e 18 contra

ALRS: sessão extraordinária é encerrada por falta de quórum - Deputados voltarão a se reunir nesta terça-feira

ALRS: votação de Recuperação Fiscal é adiada novamente - Adesão prevê a suspensão das parcelas da dívida com a União

Governo do RS apresenta projeto de Recuperação Fiscal - José Ivo Sartori defendeu a adesão ao Regime

Governo gaúcho e STN encaminharão balanço ao STF - Documento permitirá pré-acordo de adesão ao Regime Fiscal

Rio Grande do Sul tenta fechar acordo com a União - Governo estadual discute meios de adesão ao regime

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: