Renault inaugura nova fábrica no Paraná

Montadora investiu R$ 350 milhões na unidade de alumínios para blocos

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Renault investiu R$ 350 milhões na unidade de alumínios para blocos e cabeçotes de motores

A montadora Renault do Brasil ampliou o investimento no Paraná e inaugurou nesta terça-feira (6), em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, uma nova fábrica de alumínios para blocos e cabeçotes de motores. O investimento, de R$ 350 milhões, tem o apoio do programa de incentivo Paraná Competitivo, do Governo do Estado. 

Desde o início do programa Paraná Competitivo já foram mais de R$ 42 bilhões em investimentos produtivos no Estado. A Renault tem como benefício do programa o diferimento do pagamento do ICMS da fatura de energia elétrica e do gás natural da fábrica de injeção de alumínio por 48 meses. O presidente da Renault do Brasil, Luiz Pedrucci, afirmou que a construção da nova unidade só foi possível devido ao profissionalismo do Governo do Estado. “O Paraná, que consideramos nossa casa, estimula o investimento e a atividade das empresas”, afirmou ele.

Com uma área construída de 14 mil metros quadrados, a Curitiba Injeção de Alumínio – CIA, nome dado à nova fábrica da Renault, tem capacidade produtiva anual de 250 mil blocos e 250 mil cabeçotes do motor 1.6 SCe. Aproximadamente 100 profissionais trabalham na unidade atualmente, em dois turnos. Além dos R$ 350 milhões na nova unidade, o grupo investiu mais R$ 400 milhões na ampliação de sua fábrica de motores. A CIA se soma à fábrica de automóveis, a de automóveis leves e a de motores, que compõem o Complexo Ayrton Senna, conjunto de empresas da Renault instalado em uma área de 2,5 milhões de metros quadrados em São José dos Pinhas.

No Brasil, a Renault tem cerca de 7.300 funcionários diretos e gera cerca de 25 mil empregos indiretos. A marca atingiu em 2017 seu recorde, com 7,7% de participação no mercado automotivo, além do recorde de exportações, com mais de 98 mil unidades – um aumento de cerca de 40% sobre 2016.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: