PIB tem crescimento de 1% em 2017

Estabilidade da indústria contribuiu para o resultado

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Expansão de 13% na agricultura e estabilidade das indústrias contribuíram para o resultado do PIB em 2017

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas no país, fechou o ano de 2017 com crescimento de 1%, na comparação com 2016. Em valores correntes, o valor do PIB em 2017 atingiu R$ 6,6 trilhões. Em 2015 e em 2016, o resultado ficou negativo em 3,5%.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com os resultados das contas nacionais trimestrais e o fechamento do ano. Em 2017, contribuíram para o resultado as altas de 13% na agropecuária e de 0,3% nos serviços, além da estabilidade nas indústrias. O resultado da agropecuária foi o melhor do ano em toda a série, iniciada em 1996.

O PIB per capita subiu 0,2% em termos reais, ficando em R$ 31,587. A taxa de investimento no ano foi de 15,6% do PIB, abaixo dos 16,1% de 2016. Já a taxa de poupança aumentou, indo de 13,9% em 2016 para 14,8% em 2017. Na série com ajuste sazonal, o resultado do último trimestre do ano foi de crescimento de 0,1%, na comparação com o terceiro trimestre. Em relação ao quarto trimestre de 2016, o crescimento foi de 2,1%.


leia também

Banco Central projeta crescimento do PIB em 2,6% no próximo ano - Para os investimentos, a expectativa de alta é de 3%, com a melhora esperada para o setor de construção civil

BC eleva projeção de crescimento do PIB para 0,7% - A estimativa da inflação também foi revisada para baixo

Economia brasileira deverá crescer 3% em 2019 - Proposta da LDO prevê inflação de 4,2%

Fazenda eleva projeção do PIB para 3% no próximo ano - Diferença entre aprovar ou não a Previdência é de 0,45 ponto percentual

Governo reduz estimativa de crescimento para 2,5% - Projeção anterior previa que o PIB avançaria 3%

PIB cresce 0,2% no segundo trimestre de 2018 - Em relação ao segundo trimestre de 2017, avanço foi de 1%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: