Novos campos para o desenvolvimento

Enercan tem uma forte política de atuação com o meio ambiente

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Enercan tem uma forte política de atuação com o meio ambiente

O trecho a seguir faz parte do livro “Santa Catarina – Grandes Marcas”, publicado pelo Instituto AMANHÃ.


Localizada a 390 quilômetros de Florianópolis, no leito do rio Canoas, a Usina Hidrelétrica Campos Novos é o exemplo da relação de equilíbrio e harmonia entre empreendimento e meio ambiente. Abrange os municípios de Abdon Batista, Anita Garibaldi, Campos Novos e Celso Ramos e possui um reservatório com área de 29 km² – que chega a 34,6 km² de armazenamento se somado à calha do rio. Com produção assegurada de 3,3 mil GWh por ano, o complexo apresenta um dos menores impactos ambientais na relação entre área alagada e energia gerada. Em operação desde 2006, a hidrelétrica produz o equivalente a um quarto do consumo de energia elétrica de todo o estado de Santa Catarina. A usina é de responsabilidade da Enercan – Campos Novos Energia S.A., empresa que realiza sua operação, manutenção e administração. A companhia é controlada pela CPFL Energia, CBA Alumínio, Votorantim Metais e CEEE. 

A história da Enercan com a região começa com a assinatura do contrato de concessão nº 43/2000 entre a empresa e a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), em 29 de maio de 2000. Antes, portanto, do início da construção da usina. Em 18 de janeiro de 2002, a companhia assinou com as famílias beneficiadas um Termo de Acordo que consolidou os critérios para a realocação das famílias que viviam na área do reservatório, iniciando o seu processo de remanejamento. Após o cadastro socioeconômico e a avaliação das propriedades, e seguindo os critérios firmados no acordo com a população, foram negociadas 362 propriedades, beneficiando 759 famílias, com opções pelas modalidades de indenizações em dinheiro e reassentamentos rurais, individuais ou coletivos.

Juntamente com a comunidade, foi criada uma comissão de negociação, formada por representantes de todos os municípios atingidos e da própria empresa, para que fossem discutidas as tomadas de decisões. A iniciativa inédita de um processo de negociação participativo representou a transparência e a real preocupação da Enercan em possibilitar às famílias uma nova oportunidade de melhorar as condições de vida, com propriedades maiores, campos para o plantio e comunidades estruturadas com igrejas, centros comunitários e áreas de lazer reformadas ou construídas. Para cada hectare utilizado no reservatório, a indenização foi de 2,1 hectares de terras viáveis para a agricultura – diferentemente da área alagada, que era composta por terras de baixa aptidão agrícola, com menos de 30% destas destinadas à atividade econômica. Dessa forma, a Enercan possibilitou novas perspectivas de vida à população de uma região marcada pelo êxodo rural e pelo baixo índice de desenvolvimento humano dos municípios.

Para o desenvolvimento rural da região, a Enercan implementou e tem atuado em inúmeros projetos de geração de renda voltados aos produtores dos municípios da região de abrangência da usina, aportando recursos próprios e captando recursos de parceiros e dos próprios produtores para financiar e potencializar o agronegócio de caráter individual ou coletivo. Essa linha de atuação da empresa tem como objetivo a produção sustentável e a permanência dos agricultores no campo, com geração de emprego e renda para a região.

Não é somente ao desenvolvimento econômico de Campos Novos e região que a Enercan está atenta. Agraciada com diversos reconhecimentos da sociedade através de prêmios ambientais,  . Por utilizar para seu reservatório áreas hídricas dos municípios da região em que está inserida, a empresa recolhe mensalmente, a título de Compensação Financeira pelo Uso dos Recursos Hídricos, valores que são repassados ao Estado de Santa Catarina, aos municípios de Abdon Batista, Anita Garibaldi, Campos Novos e Celso Ramos e aos órgãos do Governo Federal, como o Ministério do Meio Ambiente, o Fundo de Desenvolvimento Tecnológico e a Agência Nacional de Águas. 


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: