Chuvas elevam em 2,2% previsão da safra para este ano

Brasil deve colher 224,3 milhões de toneladas, prevê IBGE

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Chuvas elevam em 2,2% previsão da safra para este ano, estima IBGE

A intensidade das chuvas de dezembro determinou uma projeção de aumento de 2,2% na safra agrícola deste ano. Os últimos prognósticos apontam para uma produção total de 224,3 milhões de toneladas, ainda assim resultado 6,8% menor do que a safra recorde de 2017. As informações constam do terceiro prognóstico para a safra 2018, referentes ao Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPD) divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados confirmam as expectativas de que a safra de 2018 será bem inferior à safra recorde do ano passado.

Pelos números divulgados pelo IBGE, o prognóstico da safra de grãos para 2018 aumentou de 219,5 milhões de toneladas para 224,3 milhões de toneladas. O acréscimo, embora não reverta a expectativa de safra menor em 2018, ocorreu em razão da abundância de chuvas em dezembro. “Em novembro, a estiagem prolongada tinha levado a um atraso no início do plantio, mas a abundância de chuvas em dezembro mudou esse quadro, levando a um ajuste nos prognósticos de área colhida e volume de produção do arroz, da soja e da primeira safra do milho”, explica Carlos Alfredo Guedes, pesquisador do IBGE. Segundo ele, juntos os três produtos constituem quase 95% da estimativa de produção nacional de grãos. 

As últimas projeções do Levantamento Sistemático indicam que a safra de soja em 2018 deverá atingir 112,3 milhões de toneladas, a de arroz será de 11,7 milhões de toneladas e as duas safras de milho deverão ficar em 26,6 milhões e 57,9 milhões de toneladas, respectivamente. O pesquisador reafirma, porém, que, por enquanto, a previsão é de uma safra anual menor do que a de 2017, estimada em 240,6 milhões de toneladas. “É importante lembrar que a base de comparação é bem alta, porque em 2017 tivemos uma safra recorde. Por isso, a variação do volume total deve ser negativa, mas ainda assim está bem melhor do que prevíamos em novembro”, assinala Guedes.

Entre os cinco produtos de maior importância para a próxima safra, três devem apresentar variações negativas na produção: arroz em casca (-5,9%), milho 1ª safra (-14,4%) e soja em grão (-2,4%). As possíveis variações positivas são: algodão herbáceo em caroço (+4,7%) e feijão 1ª safra (+5%). Neste prognóstico, as informações de campo representaram 98,1% da produção nacional prevista, enquanto que as projeções responderam por apenas 1,9% do total agora estimado.

Safra de 2017
As estimativas de dezembro do Levantamento Sistemático, ao fecharem os números da safra do ano passado, confirmaram as previsões de recorde na produção agrícola de 2017, que totalizou 240,6 milhões de toneladas, resultado 29,5% maior que na safra anterior. A área a ser colhida (61,2 milhões de hectares) cresceu 7,2% frente a 2016 (57,1 milhões de hectares). 

Em relação aos dados de novembro (241,9 milhões de toneladas), a estimativa da produção caiu 0,5%. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que, somados, representaram 94,4% da estimativa da produção e responderam por 87,9% da área a ser colhida. Em relação a 2016, houve aumento de 2,2% na área da soja, de 19,3% na área do milho e de 4,3% na área de arroz. Na produção, houve acréscimos de 19,4% para a soja, 55,2% para o milho e 17,2% para o arroz. Na avaliação para 2017, Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 26,3%, seguido pelo Paraná (17,3%) e Rio Grande do Sul (14,7%), que, somados, representaram 58,3% do total nacional previsto.

leia também

IBGE prevê queda de 9,2% na safra de grãos de 2018 - Retração é ainda maior do que a feita na primeira estimativa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: