Faturamento das cooperativas do PR deve atingir R$ 70,6 bilhões neste ano

Os números preliminares do setor foram divulgados no Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, em Curitiba

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Faturamento das cooperativas do PR deve atingir R$ 70,6 bilhões neste ano, anuncia Ricken, da Ocepar

As 220 cooperativas do Paraná, de dez diferentes ramos, devem atingir faturamento de R$ 70,6 bilhões em 2017, o que representa um aumento de 1,8% em relação ao montante alcançado em 2016. Os números preliminares do setor foram divulgados pelo presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken (foto), no Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, em Curitiba, nesta sexta-feira (8). O evento é realizado pelo Sistema Ocepar e reúne mais de dois mil cooperativistas. 

“Apesar das adversidades econômicas vivenciadas em 2017, das quais ninguém esteve imune, as cooperativas do Paraná devem confirmar um crescimento adicional de R$ 1,3 bilhão no seu faturamento, ultrapassando R$ 70 bilhões de movimento econômico, com geração de 89 mil empregos diretos e mais 2,8 milhões de oportunidades de negócios, no campo e nas cidades “, anunciou Ricken.  “O índice de crescimento deve se inferior à média dos últimos anos em razão da recessão econômica, que teve reflexos no consumo das famílias, e pela demora na comercialização dos grãos, em função da redução dos preços da produção. Apesar disso, os resultados líquidos devem ser superiores a R$ 2 bilhões, próximo da média verificada nos últimos cinco anos. É importante frisar que parte significativa desse resultado foi obtido devido à conquista de novos mercados, em função da agroindustrialização, otimização de estruturas e ao processo de integração em desenvolvimento no cooperativismo do Paraná”, destacou.

Em seu pronunciamento na abertura do Encontro Estadual, Ricken lembrou que o cooperativismo paranaense continua empenhado em atingir a meta dos R$ 100 bilhões de faturamento nos próximos anos. “Se há um pequeno destaque em relação ao cooperativismo do Paraná, é o fato de que aqui, desde o início, sempre houve planejamento. O PRC 100, o nosso Plano Paraná Cooperativo, representa a continuidade disso e segue firme no propósito de atingir R$ 100 bilhões de movimento econômico ao ano. Ele está sendo implantado com firmeza e determinação, com o apoio imprescindível dos presidentes e equipes de profissionais de todos os ramos do cooperativismo”, salientou.

Incentivos
O governador Beto Richa autorizou a transferência de créditos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dentro das novas regras do programa Paraná Competitivo, em vigor desde março. As primeiras empresas a se beneficiarem da medida são duas cooperativas: a Coamo, de Campo Mourão, e a Copacol, de Cafelândia, que poderão utilizar os créditos para investimentos. As autorizações foram assinadas durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses “O Paraná Competitivo é responsável pelo maior ciclo industrial da história do Paraná. Agora trazemos um desdobramento do programa, que possibilita o uso de créditos de ICMS para investimentos”, destacou Richa. A medida fortalece o agronegócio do Estado onde as cooperativas têm enorme peso na economia do Paraná. O setor gera 90 mil empregos diretos, movimenta R$ 2,3 bilhões em exportação e é responsável por 56% do PIB agropecuário do Estado. 

A transferência de créditos de ICMS beneficia exportadores e empresas que têm diferimento de imposto na cadeia. Elas acumulam créditos, que podem ser utilizados no pagamento de bens para investimentos, como peças e partes de máquinas, veículos e materiais destinados a obras de construção civil do empreendimento, por exemplo. Com investimentos totais de R$ 27,4 milhões, que incluem a compra de 82 veículos Volvo, a Coamo e a Copacol poderão usar 50% desse valor na modalidade de transferência de crédito. A Coamo aportará R$ 22,3 milhões na aquisição de 64 veículos. O valor do crédito a ser usado na operação é de R$ 11,1 milhões. A Copacol vai investir na compra de 18 veículos, no valor de R$ 5,1 milhões, dos quais R$ 2,5 milhões devem ser pagos com créditos.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: