Como planejar uma sucessão

Chega um momento que o herdeiro começa a ter interesse pelo negócio

Por Bernt Entschev

Como planejar uma sucessão

De acordo com um estudo recente, a cada 100 empresas que surgem no Brasil, apenas 30 sobrevivem na segunda geração, somente 13 chegam até a terceira e cinco passam para a quarta geração. Os números são assustadores. Mesmo possuindo um perfil familiar, essas empresas possuem conceitos diferentes. O primeiro é a “empresa família”, pois existe para sustentar a família e os membros estão preocupados em ter luxo, além da delapidação do patrimônio herdado. O segundo é a multifamiliar, ou seja, quando a corporação é administrada por várias famílias. Por fim, a família empresária – aquela que nasce para competir no mercado. 

Enquanto na primeira existe o choque e conflito entre gerações, na terceira é evidente observar muito mais compreensão e apoio entre as gerações. Neste caso, o status da família irá variar de acordo com as possibilidades da organização. Eles pensam, principalmente, na agregação contínua ao valor do negócio e no crescimento do patrimônio. 

É necessário realizar um plano de sucessão. Muitas vezes o indivíduo tem potencial, mas precisa desenvolver outras habilidades para o cargo que assumirá. Isso envolve um longo tempo, pois alguns ensinamentos são repassados rapidamente e outros são mais complexos. O herdeiro recebe de presente, tendo ou não talento; já o sucessor é aquele que administrará profissionalmente a companhia. Nada impede que herdeiro e sucessor sejam a mesma figura. 

Chega um momento que o herdeiro começa a ter interesse pelo negócio. A conversa franca com os filhos sobre a passagem da direção da empresa é muito importante neste processo. E aí entra uma regra de ouro: não esperar morrer para transmitir a herança. Até porque muitos dos colaboradores, de vez em quando, têm ataques de imortalidade. 

E quando dois irmãos querem a posição de sucessor ou não existe um filho interessado? A solução, se for da família, é realizar um Assessment, de preferência com uma empresa de consultoria externa. O programa possibilitará que a empresa tenha uma visão aperfeiçoada e detalhada de seu capital humano. Além do mais, existirá independência para julgar quem será o melhor. No caso de não ter um herdeiro, o caminho é contratar um sucessor fazendo uma triagem de candidatos externos. 

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: