José Antonio Valiati é o Equilibrista do Ano

Diretor da Marcopolo será agraciado pelo IBEF-RS

Da Redação

redacao@amanha.com.br

José Antonio Valiati é o Equilibrista do Ano

Concedido pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças do RS (IBEF-RS), o Prêmio Troféu O Equilibrista é o reconhecimento dos profissionais de finanças com performance diferenciada e carreira sólida. Na edição 2017, José Antonio Valiati, diretor de controladoria e finanças da Marcopolo, receberá o troféu de Executivo de Finanças do Ano. Hernan Enrici, CFO da Yara Brasil, e João Batista Ribeiro, CFO da Dell Computadores do Brasil, serão agraciados como Destaques 2017. A escolha dos nomes pelo conselho do IBEF-RS foi feita a partir da avaliação dos projetos de cada um por uma banca composta por representantes das auditorias PwC, Deloitte, KPMG e Ernst&Young, levando em consideração a capacidade de reação mesmo em um cenário adverso. A cerimônia de premiação acontece no dia 1 de dezembro, às 20h30min, no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre. 

José Antonio Valiati ingressou na Marcopolo em 1980 e desde 2003 é Diretor de Controladoria e Finanças, sendo que a partir de 2014 passou a acumular também a Diretoria de Relações com Investidores. Valiati tem graduação em Ciências Contábeis, Direito e pós-graduação em gestão organizacional. Empresa líder no mercado brasileiro de carrocerias para ônibus, a Marcopolo adotou medidas preventivamente e pôde enfrentar a crise com liquidez suficiente para cumprir seus compromissos financeiros de curto e médio prazo, sem pressão para renovação de dívidas durante 2015, 2016 e 2017. Além disso, apesar das condições de mercado adversas para o setor de ônibus, a situação financeira da companhia permitiu a absorção do controle e do endividamento da Neobus.

O presidente executivo do IBEF-RS, Marcos Fritzen, disse que entre os eleitos há cases distintos como a iniciativa de Ribeiro de, no início de 2016, reunir o time de líderes de Finanças no Brasil para discutirem uma agenda construtiva para a Dell Brasil. O foco foi garantir o alinhamento entre todos sobre como entregar resultados efetivos nas diversas áreas independentemente dos cenários interno e externo se apresentarem desafiadores. Entre os resultados, a área de Finanças se manteve intacta e líder das principais iniciativas da empresa. Adicionalmente, os investimentos em sistemas, em “compliance” e em pessoas também se manteve, garantindo um time de Finanças exemplar que está sendo copiado pela própria Dell na Argentina, México e no resto da América Latina e usado como bechmark para outras regiões mundiais.

No caso da Yara Brasil, o desafio foi a integração das diferentes culturas resultantes das aquisições realizadas, e a instalação de uma cultura de alta performance com foco no cliente, sem descuidar dos resultados. O grupo definiu o Brasil como um dos principais mercados para crescer, mas com a condição de entrega de resultados consistentes. Para a diretoria financeira, isto significava mudar o foco de “interno” para “externo”, buscando um forte alinhamento entre as ações da diretoria e a estratégia da companhia. O papel do Enrici nestes desafios teve duas dimensões: uma em relação à companhia inteira como integrante do Management Team, e outra dentro da própria diretoria como líder principal. Com as iniciativas adotadas, a Yara Brasil tem apresentado resultados superiores aos dos dois principais concorrentes, e rentabilidade em nível satisfatório, mesmo em um mercado que passou por turbulências. O avanço em algumas áreas estratégicas é reconhecido pela matriz e esta credibilidade construída nos últimos anos foi fundamental para viabilizar a aprovação de novos investimentos.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: