Acordo bilionário expandirá energia no Rio Grande do Sul

A previsão é de que as obras comecem em março de 2018

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Acordo bilionário expandirá energia no Rio Grande do Sul


O governador José Ivo Sartori participou, na sexta-feira (17), da solenidade de assinatura de acordo entre a Eletrosul e Shanghai Electric Group Co. Ltd (Shanghai Electric), para implantação e operação de empreendimento de transmissão de energia no Rio Grande do Sul. O presidente da Eletrosul Gilberto Eggers e o presidente da Shanghai Electric, Xue Weiping, assinaram o acordo estruturante que estabelece as condições detalhadas da parceria para a viabilização dos projetos que compõem o Lote A, resultante do Leilão da Aneel 004/2014. O investimento total foi orçado em R$ 3,9 bilhões para a construção de 1,9 mil quilômetros de linhas de transmissão e oito novas subestações, além de ampliar 13 subestações que já existem. Segundo Eggers, as contrapartidas ainda estão sendo definidas, mas não envolvem dinheiro dos cofres gaúchos. "Estamos discutindo a estrutura de capital e o aporte de cada empresa. O restante virá de financiamentos que serão buscados na China e provavelmente no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)", afirmou.

A previsão é de que as obras comecem em março de 2018 e sejam concluídas em até 48 meses. Durante a execução, a expectativa é gerar onze mil empregos diretos. O novo sistema de transmissão vai melhorar o fornecimento de energia para a Região Metropolitana e criar um novo ponto de atendimento na região Norte. "O benefício prático para o cidadão é que, quando tudo isso for concluído, muito provavelmente ele não terá mais problemas de fornecimento de energia nas épocas de pico, como o verão", explicou o secretário de Minas e Energia, Artur Lemos.

Sartori destacou o esforço para manter o investimento no Estado. As negociações foram fundamentais porque a Eletrosul, uma subsidiária da Eletrobrás, venceu o leilão ANEEL nº 004/2014, mas nunca conseguiu levar o projeto adiante. Por questões legais, havia o risco de cancelar todo o processo. Graças a uma grande mobilização, surgiu a possibilidade de outra empresa assumir as obras. Assim, o acordo estabelece que a concessão, atualmente da Eletrosul, seja transferida para uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), constituída pela Shanghai Electric e o Clai Fund. "Fizemos a nossa parte, dentro do que nos cabia, sem interferir na negociação entre as empresas. Nosso objetivo foi ajudar a construir a solução. Nossa mobilização foi intensa. Trabalhamos para dar celeridade aos processos de licenciamento ambiental. O tema era urgente e não medimos esforços. Afinal, o atraso das obras poderia dificultar a participação de projetos gaúchos em futuros leilões de energia", destacou Sartori.

Também participaram da cerimônia no Piratini o embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., da Shangai Electric, Xue Weipin, do Clai Fund, Qin Hong.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: