O que a China ganha com o Brasil?

Milton Pomar analisa vantagens dos acordos entres os países

Por Milton Pomar

O que a China ganha com o Brasil?

Perguntaram-me o que é que a China ganha(rá) com esses acordos e negócios realizados com o Brasil, durante a visita da comitiva do primeiro-ministro chinês, na semana de 19 de maio. É fácil saber: basta olhar da China para o Brasil.

Os dois países possuem quase a mesma área (a China tem um milhão de quilômetros quadrados a mais). Mas enquanto os chineses caminham para reduzir a sua área agricultável para menos de 100 milhões de hectares - abaixo do limite mínimo, de 125 milhões de hectares -, o Brasil possui quase três vezes isso em stand-by.

Na água, a situação não é diferente. Com 20% da população mundial, a China possui apenas 6% da água doce do planeta. Em compensação, o Brasil tem algo entre 12% e 14% da água do mundo, e uma população que representa 3% do total. 

Portanto, no básico, que continua sendo água e comida, somos um parceiro e tanto. 

Essas "vantagens comparativas" brasileiras ocorrem também em outras áreas, das energias alternativas (etanol, solar, eólica, biomassa em geral) ao petróleo velho de guerra – um ponto sensível para a China, que produz apenas metade da montanha que consome diariamente, com sua frota de 80 milhões de veículos. Hoje a China é o país que mais importa petróleo no mundo. Está, portanto, em extrema vulnerabilidade - condição que abomina para si - e justo em energia! 

Como olham sempre muitos anos à frente, os chineses investem aqui, hoje, de olho em 2020, quando o Brasil deverá atingir a posição prevista de 6º maior exportador mundial de petróleo. 

Resumindo: no essencial – energia, água e comida – precisamos do suficiente para apenas 200 milhões de pessoas. Já a China precisa destes insumos para atender a uma população sete vezes maior. Se faltar esse básico, era uma vez a maior economia do mundo, e também o regime político que já dura 65 anos.

Mas a conta não para aí. Há muito mais em jogo para os interesses brasileiros, considerando a demanda chinesa por nióbio, ferro, celulose, aviões para a aviação regional, e... a condição de ser o primeiro, segundo, terceiro, quarto e quinto maior mercado consumidor do mundo para muitos produtos importantes. E do ponto de vista de suas dimensões esse mercadão é único no mundo para tudo o que diga respeito a ferrovias, por exemplo. Enquanto a China possui mais de 100 mil quilômetros de ferrovias, o Brasil tem 40% disso, o que pressupõe que dobrará a quantidade, pelo menos, nos próximos dez anos. 

Por isso, por tudo isso, para a China é um baita negócio vender para o Brasil, investir no Brasil, comprar do Brasil. E se aproximar cada vez mais, estabelecer cooperação em vários setores, da Cultura aos Esportes, passando pelas áreas educacional, esportiva, agrícola, de ciência e tecnologia etc., etc. 

Há ainda a necessidade chinesa de investir em ativos, ao invés de continuar com a maior reserva cambial do mundo, de quase 3,5 trilhões de dólares. Entre outras coisas, porque todo esse dinheiro papel pode virar pó, deixando a China com o maior mico da história mundial...

Detalhe: a relação continua sendo muito mais da China para o Brasil, do que daqui para lá, infelizmente.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: