SC ultrapassa o PR no Ranking de Competitividade dos Estados

Estudo realizado pelo Centro de Liderança Pública aponta o RS na sétima posição enquanto SP é o primeiro colocado

Da Redação

redacao@amanha.com.br

SC ultrapassa o PR no Ranking da Competitividade dos Estados. Na foto, a capital Florianópolis

No Ranking de Competividade dos Estados 2017, anunciado nesta quarta-feira (20), Santa Catarina (na foto, a capital Florianópolis) subiu da 3ª para a 2ª colocação e o Paraná caiu da 2ª para a 3ª posição em relação ao ano anterior. O Rio Grande do Sul é o sétimo colocado, um avanço de duas posições sobre o nono lugar alcançado no ranking do ano passado. No computo geral, São Paulo segue na primeira colocação. O Distrito Federal segue na 4º colocação. Os Estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste concentram-se na metade superior do ranking, com os Estados do Norte e Nordeste ocupando as últimas posições. Para a composição do Ranking neste ano foram considerados 66 indicadores, agrupados em 10 pilares. O estudo é realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Group.

Confira o ranking completo no link http://www.rankingdecompetitividade.org.br

Paraíba e Ceará são os representantes do Nordeste mais bem colocados, nas 10ª e 11ª colocações, respectivamente, à frente de Mato Grosso e Goiás. Os últimos colocados foram os Estados de Maranhão, Amapá e Sergipe, enquanto Alagoas conseguiu sair da última posição, passando para 24º. Outras mudanças expressivas no ordenamento das Unidades da Federação no ranking geral ocorreram com Acre, Rondônia, Paraíba, que foram os Estados que mais ganharam posições, enquanto Amapá, Amazonas e Pernambuco foram os Estados que mais perderam posições.

Metodologia
Uma realização do CLP, em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Group, o ranking constitui uma importante ferramenta para avaliação da administração pública. Também reconhece as melhores práticas visando o desenvolvimento econômico e social do país. O  resultado permite ao gestor público identificar as necessidades e elencar as prioridades do seu estado. Ao setor privado, permite um estudo das possibilidades geográficas para investimento.

O ranking, que está em sua sexta edição, faz uma análise comparativa da capacidade competitiva de todos os Estados e do Distrito Federal em 66 indicadores, agrupados em 10 pilares temáticos. Entre os indicadores, 35 são comparados com dados internacionais de 34 países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).


leia também

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Cade abre investigação contra Positivo Informática - Processo apura conduta anticompetitiva em licitações

Cresce importância da exportação para empresas - A valorização do dólar ante o real estimulou a indústria, revela CNI

Desafetos e desafios - Ambientes de excelência dificilmente prescindem de um elemento de competitividade que faz toda diferença

Exportação para almas poéticas - Sendo o Brasil um país de vocação autossuficiente, a ciência de operar por sobre as fronteiras é um desafio imenso

Gerdau diminui ritmo de investimentos - Maior empresa do Sul tem se adaptado ao cenário instável do setor

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: