Celesc: a fonte da energia catarinense

A companhia é reconhecida pela qualidade de seus serviços

Centro Operacional da Celesc, um dos cases do livro "Santa Catarina – Grandes Marcas"

O trecho a seguir faz parte do livro “Santa Catarina – Grandes Marcas”, publicado pelo Instituto AMANHÃ.


Até a metade de 1950, as necessidades energéticas em Santa Catarina eram supridas por pequenos e médios sistemas elétricos, mantidos por imigrantes com espírito empreendedor. Com o incremento da demanda por energia elétrica, suprida em parte pela criação de novas usinas hidrelétricas, o modelo regionalizado de abastecimento tornou-se insuficiente. Preocupado em oferecer condições de infraestrutura para suportar o surto desenvolvimentista, entre as décadas de 1950 e 1980, o governo do Estado reuniu empresas de energia dispersas pelo território catarinense em uma política única de distribuição de energia elétrica. Nesse contexto, em 1955, nascia a Celesc.

Planejar, construir e explorar o sistema de produção, transmissão e distribuição de energia era o desafio da nova companhia, em uma época na qual a maioria da população catarinense vivia com acesso limitado à energia – ou sob constante ameaça de racionamento. Atendendo, inicialmente, a apenas 16 municípios – em uma área que abrigava pouco menos de 35 mil habitantes –, a rede se ampliou na década de 1960, acrescentando ao seu quadro subsidiárias de eletricidade de todo o estado, chegando ao território de 39 cidades.

Em 1965, a companhia alcançou a histórica marca de 100 mil consumidores. No mesmo período, inaugurou novas hidrelétricas e o projeto embrião do centro de treinamento e aperfeiçoamento da empresa, além de delinear de forma definitiva o sistema elétrico. O processo de ingresso no mercado financeiro iniciou-se em 1973, acompanhado de ações como a incorporação dos serviços de distribuição de energia elétrica em outras cidades e a construção de subestações. Marchando em ritmo rápido para acompanhar o franco crescimento de Santa Catarina, a marca de 1 milhão de clientes foi atingida em setembro de 1989. 

Nos anos 2000, o abastecimento energético de Santa Catarina alcançou o nível de segurança máxima com a interligação à rede de alta tensão do Sistema Interligado Nacional. A Celesc, em 2004, atingiu a marca de 2 milhões de clientes – um marco simbólico, uma vez que este era o número de habitantes de Santa Catarina na época de fundação da companhia. O estado e a empresa cresceram juntos.

De olho no amanhã
Conceitos e práticas na busca da eficiência estão enraizados na cultura da Celesc. Tendo a sustentabilidade como princípio norteador, foi a primeira empresa do Setor Elétrico Brasileiro a ser reconhecida por uma gestão eficaz e de responsabilidade socioambiental.

Na Celesc, o princípio da sustentabilidade perpassa o discurso e conduz também as ações que atentam para a eficiência energética. A empresa sabe que quanto mais eficiente for o consumo de energia elétrica, menores serão os impactos no meio ambiente. Desde 1999, com seu programa de eficiência energética, viabilizou 100 projetos com investimento de R$ 140 milhões, que propiciaram a redução de 144 GWh no consumo de energia elétrica. São projetos como o Energia do Bem, Energia do Futuro, Celesc Voluntária, Sou Legal Tô Ligado e Banho de Energia, que juntos, em cinco anos de ações, beneficiaram 32 mil unidades consumidoras em tarifa social – aproximadamente 128 mil catarinenses – de doze municípios do sul do estado. No escopo dos projetos, desenvolvem-se ações como a substituição de lâmpadas, fiação elétrica e refrigeradores.

Um serviço tão importante quanto a garantia de abastecimento de energia à população faz da Celesc uma empresa de função social inestimável ao cidadão catarinense. Perseguindo a sustentabilidade, a Celesc constrói o seu futuro e ilumina o amanhã de Santa Catarina.


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: