Aumento de empresas inadimplentes perde força

Abrandamento ocorre devido ao crédito restrito

Por Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Aumento do número de empresas inadimplentes perde força, revela CNC e CNDL

O crescimento do número empresas inadimplentes está perdendo força desde 2016, de acordo com indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). 

Em julho deste ano, o número de empresas negativas aumentou 3,3% na comparação com igual período de 2016. No mesmo mês no ano passado, a variação havia sido maior: 8,6%. Na comparação entre julho e junho, a variação foi de 0,08%. Segundo a CNDL, o abrandamento da inadimplência ocorre devido à maior restrição ao crédito e à menor propensão das empresas a investir.

O levantamento também mostra que o Sudeste lidera o crescimento do número de empresas inadimplentes. Na comparação com julho de 2016, o número de pessoas jurídicas negativadas na região cresceu 3,8%, a maior alta entre as regiões. O Nordeste aparece em segundo lugar, com 3,11%, seguido pelas regiões Norte (2,9%), Centro-Oeste (2,7%) e Sul (1,7%). O número de empresas devedoras por ramo da economia mostra que o setor de serviços teve a maior alta em julho, de 5,87%. Em seguida, vêm agricultura (2,5%), indústria (2,4%) e comércio (2,1%).

O indicador resume todas as informações disponíveis nas bases de dados do SPC Brasil e da CNDL. As informações disponíveis referem-se a capitais e cidades do interior das 27 unidades da Federação. 


leia também

A responsabilidade social nos países emergentes - Iniciativas sociais por parte das empresas estão mais comuns

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Bancos e cartões de loja são vilões da inadimplência - Carnê, cartão de crédito e cheque especial completam a lista

Banrisul emitirá R$ 2 bilhões em letras financeiras - Valor foi tomado por empréstimo por ex-governador

Banrisul tem lucro de R$ 609,6 mi até setembro - Valor é 5,9% superior ao mesmo período de 2014

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: