Celulose Riograndense interrompe produção

Planta 2 de Guaíba voltará a operar em novembro

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Celulose Riograndense interrompe produção até novembro

A Celulose Riograndense anunciou nesta sexta-feira (11) que interromperá a produção até novembro. O motivo é que uma das caldeiras sofreu danos. A medida atinge a planta 2 e está em comunicado oficial da CMPC, companhia chilena que é dona da empresa. A retomada da atividade produtiva é prevista em 11 de novembro, conforme o comunicado. Neste período, 400 mil toneladas deixarão de ser produzidas. A planta destina mais de 90% de sua produção ao exterior. Por ser um fato relevante, a CMPC oficializou a decisão junto à bolsa de valores do Chile e informou o seu efeito econômico, estimado em U$ 200 milhões, dano coberto pelo seguro contratado pela empresa.

“Durante o período em que a Linha 2 ficará parada, as demais operações industriais - Linha 1, com capacidade produtiva de 450 mil toneladas por ano, as plantas químicas e a fábrica de papel que produz 60 mil toneladas por ano - permanecerão operando nas suas capacidades nominais”, esclarece a nota da Celulose Riograndense. “Em resposta à preocupação manifestada por setores da sociedade, a empresa informa que manterá suas atividades nas diversas áreas conservando os seus contratos com fornecedores vigentes, apenas ajustando o planejamento das atividades, o que não impactará em demissões ou redução do quadro de pessoal próprio ou de terceiros”, revela o documento. 

leia também

Celulose Riograndense ajuda a preservar história do Sul - Empresa apoia digitalização do arquivo de jornais do Correio do Povo

“O Brasil não resolveu nenhum dos seus problemas” - Presidente da Celulose Riograndense defende reformas profundas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: