Porto Alegre inaugura primeiro Hospital de Curta Permanência do Sul

Curitiba também terá um empreendimento da Cyrela Goldsztein no sistema de franquia

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Medplex Santana, primeiro Hospital de Curta Permanência do Sul

A Cyrela Goldsztein apresentou como o primeiro Hospital de Curta Permanência do Sul a unidade do Medplex, franquia de medical center pioneira no Brasil que traz um conceito inovador para a área da saúde. O Medplex Santana (foto) reúne em um mesmo espaço todos os serviços necessários à demanda de médicos e pacientes em uma infraestrutura desenvolvida exclusivamente para a prática da medicina. No mesmo local vai funcionar o primeiro Hospital de Curta Permanência (HCP) de Porto Alegre, modelo que se diferencia de qualquer outro e que chega para transformar o atendimento hospitalar na Capital. 

Com VGV [ou Valor Geral de Vendas, índice calculado pela soma do valor potencial de comercialização de todas as unidades de um empreendimento] de R$ 500 milhões, o empreendimento teve 100% das suas unidades comercializadas já no ano de lançamento, em 2014. O sucesso comercial do empreendimento motivou a reprodução do modelo, no sistema de franquia, em outras capitais, caso de Curitiba, Belo Horizonte e, futuramente, praças como Rio de Janeiro e São Paulo.

O Blanc Medplex Santana traz para a região o sistema de Hospital de Curta Permanência (HCP), iniciativa que segue o conceito mundial da desospitalização. Essa é uma tendência que permite realizar procedimentos, internar e dar uma solução completa ao paciente em até três dias para casos de baixa e média complexidade. Administrado por um grupo de sócios da área médica, o condo-hospital Blanc Medplex Santana possui um formato de atendimento que vai possibilitar a redução do déficit de oferta de leitos cirúrgicos na cidade. Atualmente, um dos principais gargalos do sistema hospitalar brasileiro é a falta de horários disponíveis em função da grande demanda de pacientes. 

O HCP chega para melhorar este cenário ao permitir a redução dos atendimentos em grandes unidades de saúde que precisam de salas liberadas para atender casos de maior gravidade. Menos tempo de internação também contribui para a diminuição de até 30% dos custos tanto para pacientes como para operadoras de saúde. “Nos Estados Unidos, cerca de 60% das cirurgias são realizadas dentro desse conceito. No Brasil, esse percentual é de apenas 5%. A proposta do HCP é o primeiro grande passo para mudar a realidade hospitalar no Brasil”, afirma Ricardo Jornada, diretor de Incorporação e Novos Negócios da Cyrela Goldsztein.

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: