Marcopolo vê retomada do mercado de ônibus

A empresa registrou receita líquida de R$ 1,2 bilhão até junho

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Marcopolo tem melhora de resultados com retomada do mercado de ônibus

O desempenho alcançado pela Marcopolo no segundo trimestre pode indicar o início do processo de recuperação do mercado brasileiro de ônibus, que foi fortemente impactado pela crise econômica. No semestre, a produção de ônibus rodoviários para o mercado interno cresceu 15,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A empresa registrou receita operacional líquida de R$ 1,2 bilhão até junho, com crescimento de 23,6% ante o primeiro semestre de 2016. No mesmo período, o lucro líquido recuou 43,8%, com o total de R$ 29,2 milhões. 

“Ainda estamos distantes dos volumes históricos realizados no mercado brasileiro, porém o desempenho do segundo trimestre de 2017 ensaia o que pode ser uma retomada gradual, especialmente no segmento de ônibus rodoviários”, analisa José Antônio Valiati, diretor de relações com investidores e de controladoria e finanças da Marcopolo. No primeiro semestre de 2017, a Marcopolo produziu 541 unidades de ônibus rodoviários para o mercado interno, 29,1% mais que no mesmo período de 2016.

Na visão de Francisco Gomes Neto, CEO da Marcopolo, o segundo trimestre trouxe importantes sinais de melhora no mercado doméstico, especialmente no segmento de rodoviários. As exportações se mantiveram aquecidas em todo o primeiro semestre e aumentaram 38,2%, com 1.498 unidades contra as 1.084 do primeiro semestre do ano passado, assim como a produção nas operações no exterior. No mercado brasileiro, a produção da Marcopolo, incluindo exportações, foi de 3.933 unidades, ainda longe do recorde de 9.121 unidades fabricadas no primeiro semestre de 2013. O segmento de rodoviários apresentou crescimento de quase 40% em relação ao primeiro semestre de 2016 (1.445 unidades contra 1.049). Em contrapartida, o segmento de urbanos teve queda de 24,7% no mesmo período (838 unidades contra 1.113, em 2016).

leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: