STF suspende pagamento da dívida do RS com a União

A medida garante que não haverá bloqueio de repasses ao Estado

Da Redação

redacao@amanha.com.br

STF suspende pagamento da dívida do Rio Grande do Sul com a União

O governador José Ivo Sartori comentou, no final da tarde desta quarta-feira (2), a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferindo a liminar requerida pelo Estado, para suspender o pagamento das prestações mensais da dívida com o governo federal. "Acredito que este é mais um passo, mas também é o reconhecimento das atitudes que tomamos até hoje, procurando fazer o melhor para equilibrar as finanças do Estado do Rio Grande do Sul. Essa caminhada vai continuar, e vamos seguir fazendo aquilo que precisa ser feito", afirmou Sartori.

A medida garante também que não haverá bloqueio de repasses da União ao Rio Grande do Sul e que o Estado não será incluído em cadastros de inadimplência. O STF determina que, em caso de bloqueio de algum valor nas contas do Estado em razão do não pagamento da parcela da dívida vencida no último dia 31 de julho, seja feita a restituição em 24 horas. A decisão do ministro será levada ao Pleno do Supremo Tribunal Federal para referendo.

O pedido de medida cautelar ao STF para suspensão do pagamento da dívida foi encaminhado na última segunda-feira (31). No dia seguinte, o governador José Ivo Sartori, o procurador-geral do Estado, Euzébio Ruschel, e o secretário de Planejamento, Governança e Gestão, Carlos Búrigo, tiveram audiência, com o ministro Marco Aurélio, em Brasília (foto). 

O valor da prestação de julho da dívida do Estado com a União, em torno de R$ 140 milhões, foi transferido para o pagamento de mais uma parcela dos salários dos servidores do Executivo.


leia também

Bancos elevam para R$ 104 bilhões estimativa do déficit primário - Sondagem do Ministério da Fazenda prevê que a dívida bruta deve passar de 74,3% do PIB neste ano

Barbosa teme impactos da mudança no cálculo de juros da dívida dos estados - Edson Fachin mediará reunião entre governadores e o ministro da Fazenda para embasar decisão final do STF

Câmara adia votação do projeto que socorre Estados - A análise da proposta ficou para a próxima segunda-feira

Câmara aprova renegociação das dívidas estaduais - No RS, governo extingue 8 fundações em pacote para reduzir o Estado

Cármen Lúcia debate crise financeira e guerra fiscal com governadores - Nova presidente do STF pediu para que os Estados busquem um acordo que acabe com a disputa tributária

Congresso aprova projeto que altera meta fiscal de 2016 - O texto autoriza o governo federal a fechar o ano com um déficit primário de até R$ 170,5 bilhões nas contas públicas

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: