Rapidez, flexibilidade e tolerância ao risco

Eis a tríade a ser seguida para sua empresa não se tornar estatística

Por Ernani Nunes*

Rapidez, flexibilidade e tolerância ao risco: a tríade a ser seguida para sua empresa não se tornar estatística

Em tempos passados, era razoável esperar que o dia de amanhã fosse parecido com o de ontem. Na medida em que avançamos em direção ao futuro, as incertezas aumentam, e a tarefa de criar cenários e planos para o longo prazo perde um pouco do peso a cada dia. Por isso, em vez de investir tempo em abstrações sobre o futuro, é mais proveitoso adotar ferramentas e estratégias que torne as empresas mais rápidas, flexíveis e tolerantes ao risco. 

Só assim a chance será menor de se tornar parte de uma estatística ruim, como a de um estudo realizado em 2014 para medir a velocidade de mudança no ambiente empresarial dos Estados Unidos. Em 1958, as companhias listadas entre as maiores corporações daquele país, permaneciam na lista, em média, por 61 anos. Em 1980, a média de permanência já havia sido reduzida drasticamente, para 25 anos. Em 2011, o número caiu para 18 anos. Neste ritmo, estima-se que 75% das grandes empresas serão substituídas por novas organizações até 2027.

Embora negócios possam surgir e desaparecer por razões distintas, não há dúvidas que a transformação digital tem um papel fundamental nesse processo. Com a enxurrada diária de novas tecnologias e inovações, e com a conectividade beirando metade da população mundial, não há alternativa para as organizações a não ser preparar-se para tempos diferentes.

O desafio consiste basicamente em procurar entender como operar neste novo mercado, vender (o quê e para quem) e crescer no futuro. Em um mundo onde o ritmo de transformação da tecnologia, das ideias e dos conceitos, acelera com uma taxa exponencial, não há forma segura de antecipar o que virá pela frente. Será preciso agir e responder de forma mais rápida. Se errar – processo inevitável em organizações que arriscam dentro de um mercado cada vez mais e competitivo – que faça isso cedo, e logo se corrija. 

O fato é que o turbilhão de mudanças continuará a afetar o mundo dos negócios inexoravelmente, mas não poupará outros elementos da nossa sociedade, como entidades e consumidores. A interligação complexa e crescente de todos os agentes econômicos e sociais, por sua vez, tende a acelerar ainda mais os processos de transformação pelo compartilhamento de dados e informações e pelo trabalho colaborativo. Quem tiver maior capacidade de interpretar esses dados e adaptar-se ao novo estará mais próximo do sucesso.

*Diretor de novos negócios da Embraco.


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

As inúmeras vantagens do “preço dinâmico” - Um estudo mostra que tarifas variáveis beneficiam o consumidor

As micromultinacionais e como elas definirão nossa era - Como as empresas pequenas entram em mercados globais

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: