IPCA, IGP-DI e INPC indicam deflação em junho

Número oficial negativo é o primeiro registrado em 11 anos

da Redação

redacao@amanha.com.br

Deflação e queda no consumo

Os indicadores de inflação divulgados nessa sexta-feira (7) trouxeram sinal negativo. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, fechou o mês de junho com deflação de 0,23%, a primeira registrada em 11 anos, abaixo dos 0,31% de maio. O resultado é o mais baixo para o mês de junho desde o início do Plano Real e o primeiro resultado mensal negativo desde os 0,21% de 2006. Em agosto de 1998, a taxa foi de -0,51%.

No acumulado do primeiro semestre de 2017, a inflação oficial ficou em 1,18%, frente aos 4,42% registrados no mesmo período do ano passado. Em relação aos últimos 12 meses, o índice acumulado foi para 3%, abaixo dos 3,6% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores.

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) recuou 0,30% em junho, ante um aumento de 0,36% em maio. O INPC, também divulgado pelo IBGE, mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a cinco salários mínimos e chefiadas por assalariados.

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou deflação de 0,96% em junho, após deflação de 0,51% em maio. A queda de preços acumulada em 2017, até junho, é de 2,58%. Em 12 meses, o IGP-DI acumula deflação de 1,51%. Segundo os dados divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o aumento do ritmo da queda de preços foi provocada pelos preços no atacado e no varejo. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, teve deflação de 1,53% em junho, uma queda de preços mais acentuada do que em maio, que havia sido de 1,10%. O Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, passou de uma inflação de 0,52% em maio para uma deflação de 0,32% em junho. Por outro lado, o Índice Nacional de Custo da Construção registrou em junho índice de inflação (alta de preços) mais elevado (0,93%) do que no mês anterior, de (0,63%)


leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: