Plano de recuperação judicial da Campo Lavoura é aprovado

Estratégia visa a retomada imediata dos negócios

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Plano de recuperação judicial da Campo Lavoura é aprovado

Os credores da Campo Lavoura Agronegócios (foto) aprovaram na terça-feira (27), durante assembleia geral em Augusto Pestana (RS), o plano de recuperação judicial da empresa. O quadro é composto de 703 credores, totalizando um passivo total de R$ 148 milhões. A empresa ingressou com o pedido de recuperação judicial em outubro de 2015 e protocolou seu plano em fevereiro de 2016. 

A estratégia aprovada por todas as classes de credores foi a da retomada dos negócios com a concessão pelos bancos e fornecedores de prazos e encargos especiais, sendo que os produtores agrícolas receberão integralmente seus créditos em no máximo cinco anos. “Decisões sobre planos costumam levar meses entre pedidos de suspensão e modificações do plano até a votação definitiva”, comenta o advogado Luis Gustavo Schmitz, coordenador do processo que teve assessoria da Albarello & Schmitz.

Fundada em 1994 em Jóia (RS), a Campo Lavoura tornou-se uma das maiores empresas de agronegócio do Rio Grande do Sul. Hoje atua na comercialização de insumos, armazenamento, transbordo e logística de grãos. A empresa possui 11 unidades de negócios e com a conclusão das obras em Santiago e Cacequi, ficará com capacidade de armazenamento de 2,5 milhões de sacas. A empresa faturou R$ 211 milhões em 2016. Neste ano, apesar de estar em recuperação judicial, deverá crescer aproximadamente 20%, embalada pela boa safra de soja.


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

BNDES abre linha de crédito para empresas em recuperação - O programa terá orçamento de R$ 5 bilhões e validade até 2017

BNDES entra em campo para ajudar empresas em crise - Para o advogado Luis Gustavo Schmitz, iniciativa preserva empregos

Crise da Oi não afeta clientes no momento - Credores e acionistas podem chegar a um acordo sobre a dívida

Desse jeito, a lei não será capaz de recuperar empresa alguma - Maciel Titto questiona tratamento diferenciado a fisco e bancos

Estaleiro Fibrafort pede recuperação judicial - Crise econômica diminuiu em 75% as vendas da empresa catarinense

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: