Emprestar nome é a principal causa para inadimplência

Normalmente a solicitação é feita por um parente ou amigo

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Emprestar nome é a principal causa para inadimplência, alerta Serasa

O novo serviço gratuito Serasa Score, pontuação que vai de 0 a 1.000 e resulta do relacionamento do consumidor com o mercado de crédito, completou na última semana dois meses no ar com mais de 5 milhões de acessos. As consultas motivaram alguns consumidores com score abaixo de 300 (considerado alto risco para inadimplência) a procurarem a Serasa, por carta, pessoalmente nas agências e canais digitais, como redes sociais, para entender melhor a pontuação. Com base nessa amostragem, a Serasa Experian fez um levantamento e elencou as principais razões para o score menor que 300. O principal motivo para estar na faixa de alto risco é ter o nome negativado. Dentro deste grupo, se destaca cada vez mais aqueles que estão inadimplentes devido ao empréstimo do nome a amigos ou parentes para fins de crédito. Muitos desses consumidores que forneceram seus dados a terceiros desconhecia o fato de ter se tornado inadimplente devido ao não pagamento gerado pela dívida contraída.

Segundo Fernanda Monnerat, diretora do Serasa Consumidor, quem pede o nome emprestado para fazer compras ou obter financiamentos o faz, na maioria das vezes, por já ter restrições nos birôs de crédito. “Normalmente a solicitação é feita por um parente ou amigo, fazendo com que o dono do nome se sinta constrangido em negar o favor. Quem empresta dados pessoais acredita que a proximidade da relação garantirá que o outro honre a dívida assumida, o que nem sempre acontece”, argumenta Fernanda.  Estudo da Serasa revela que 30% dos consumidores no país possuem score com alto risco para inadimplência (até 300 pontos); 38% apresentam médio risco (301 a 700 pontos) e 32% baixo risco (701 a 1.000). O score médio do brasileiro é de 485 pontos.

Serasa Score
O Serasa Score é disponibilizado no site www.serasascore.com.br para consulta on-line, permitindo que somente o próprio consumidor veja a sua pontuação, que vai de 0 a 1.000 pontos. Cada usuário é pontuado de acordo com a análise de uma série de fatores, como pagamentos de contas em dia, histórico de dívidas negativadas, relacionamento financeiro com empresas e dados cadastrais atualizados. Quanto mais alto o score, maiores são as chances de o cidadão honrar compromissos financeiros nos próximos 12 meses e ter acesso facilitado ao mercado de crédito. 

As empresas podem usar a pontuação como uma informação adicional para a tomada de decisão no momento de concessão de financiamentos, além de suas próprias informações para compor a própria política de crédito. O Serasa Score é um dos modelos estatísticos existentes no mercado para a análise de risco de crédito. As empresas podem utilizar outros que são desenvolvidos de acordo com as suas necessidades. O score para o consumidor é uma ferramenta já disseminada nas maiores economias do mundo.

O peso de cada informação do Serasa Score é definido de acordo com um estudo do comportamento histórico de grupos de indivíduos não identificados. Esses grupos são compostos por pessoas com características financeiras parecidas. Desse modo, estatisticamente, é possível comparar os resultados obtidos por um consumidor específico com outros do mesmo grupo para o cálculo do Serasa Score. A pontuação vai de zero a 1.000 pontos: até 300 pontos há alto risco de inadimplência; médio risco entre 300 e 700 e baixo risco para quem acumula pontuação acima de 700 pontos.


leia também

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Aumento de empresas inadimplentes perde força - Abrandamento ocorre devido ao crédito restrito

Bancos e cartões de loja são vilões da inadimplência - Carnê, cartão de crédito e cheque especial completam a lista

BC: crescimento da inadimplência é gradual - Uso do crédito rotativo, cujas taxas de juros tem subido, deve ser evitado

Consumidor inadimplente não tem ideia de quanto ganha - Quase a metade reconhece saber pouco sobre sua renda disponível

Cresce número de brasileiros sem acesso a crédito - Nome na lista de inadimplentes é um dos motivos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: