Mercado reduz projeção de inflação para 3,9% este ano

O resultado mostra que a crise política não afetou estimativas

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Mercado financeiro reduz projeção de inflação para 3,92% este ano

O mercado financeiro reduziu a projeção para a inflação este ano pela 11ª vez seguida. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 3,93% para 3,92%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas, pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras. A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa caiu 4,36% para 4,34%, no segundo ajuste seguido. 

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) permanece em 0,5%, este ano e em 2,5%, em 2018. Para as instituições financeiras, a taxa básica de juros, a Selic, encerrá 2017 e 2018 em 8,5% ao ano. Atualmente, a Selic está em 11,25% ao ano. 

O resultado mostra que a crise política não afetou as projeções econômicas. A denúncia contra o presidente foi conhecida na quarta-feira à noite e repercutiu no mercado no dia seguinte. Na sexta-feira, o dólar recuou e a bolsa subiu. O Banco Central recebe projeções até a sexta-feira de cada semana. Vários analistas afirmam que, a depender da duração, a crise pode abreviar o ciclo de corte da Selic. Uma alta consistente do dólar pressionaria a inflação e poderia fazer o IPCA superar a meta de 4,5% no próximo ano.  


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: