Deputado do PR está no centro da crise envolvendo Temer

Rodrigo Loures é interlocutor para atender a interesses da JBS

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Na operação montada pela PF com Joesley Batista, Rodrigo Loures é interlocutor para atender a interesses da JBS

O escândalo revelado pelo site do jornal O Globo e que pode custar o mandato do presidente Michel Temer tem conexão direta com o Paraná. Na operação montada pela Polícia Federal com a ajuda do diretor da JBS, Joesley Batista, o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) aparece como interlocutor designado por Temer para atender, no âmbito do governo, a interesses e demandas da companhia.

Segundo o Globo, a PF tem filmagens em que Loures (foto) aparece recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados pela JBS.  Em outra gravação feita por Joesley, Temer é informado pelo executivo da JBS que o silêncio de Eduardo Cunha, preso em Curitiba, está sendo comprado. A reportagem do jornalista Lauro Jardim (clique aqui para ver) informa que Temer aprova a operação. “Tem que manter isso, viu?”

A JBS declarou, por meio de nota, que não se pronunciará sobre o fato.

Nota do Planalto
O Palácio do Planalto divulgou uma nota na noite desta quarta-feira (17) na qual informou que Temer se reuniu com o empresário Joesley Batista, dono da JBS, mas "jamais" tentou evitar a delação do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar. O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República. O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados”, relata a nota.

Temer estava reunido com governadores do Nordeste. A reunião terminou às 19h50. O presidente, então, iniciou uma reunião com os ministros Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo; Eliseu Padilha, da Casa Civil; Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República, após a divulgação da reportagem. Também estiveram presentes assessores da Secretaria de Comunicação da Presidência. A nota do Planalto foi enviada à imprensa cerca de uma hora e meia após o início da reunião no terceiro andar do Planalto, onde fica o gabinete de Temer.

leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A JBS sai das cordas - Se está patente que o Brasil tende a soçobrar numa turbulência amarga, os irmãos Batista deverão sobreviver bastante bem

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A vingança de Camões - Massacrar o português não é passaporte para o sucesso. É só um atentado civilizacional

Ações da Braskem seguem em queda por Lava Jato - Os papéis desvalorizaram mais de 5% nesta quinta-feira

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: