Mãe de Deus, a inovação a serviço do ser humano

Conheça a história do hospital, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

Mãe de Deus, a inovação a serviço do ser humano

Sob qualquer ângulo, o Hospital Mãe de Deus é um ponto de referência. Em Porto Alegre, seus prédios assinalam o cruzamento das avenidas José de Alencar e Padre Cacique, no limite entre o centro e a zona sul da cidade. Já no setor de Saúde, seu sistema de gestão, atendimento e assistência assinalam a vanguarda dos serviços médicos e hospitalares no sul do país.

Inaugurado em 1979, depois de anos de trabalho abnegado sob a liderança da irmã Maria Jacomina Veronese, o Hospital Mãe de Deus hoje desponta no grupo das grandes marcas do Rio Grande do Sul. Por meio do Sistema de Saúde Mãe de Deus, a instituição gere nove hospitais, dois centros clínicos, dezenas de pontos de atendimento – além de unidades de saúde familiar, clínicas, postos comunitários e centros de psiquiatria voltados para dependentes químicos. Sua boa reputação, certificada pelos mais respeitados organismos de acreditação internacional – entre eles, a Joint Comission International (JCI) – se estende para muito além das fronteiras do estado e atraem pacientes de diferentes nacionalidades. Sua estrutura, já ampla, está em constante expansão com investimentos em novas instalações, tecnologias, processos e qualificação de pessoas. Falecida em 1984, a irmã Jacomina pregava a expansão do Hospital Mãe de Deus para todos os segmentos da sociedade. O conceito fundamental era a prestação de um serviço que oferecesse as mais modernas práticas sem jamais abdicar de valores cristãos e afetivos. Essa dupla missão – de se atualizar sempre e preservar a compaixão no trato com o paciente – fica clara no slogan adotado pela instituição: Sempre perto, sempre à frente. E se fortalece na proximidade com a Associação Educadora São Carlos, pessoa jurídica criada pelas Missionárias Scalabrinianas, em 1962, e que hoje administra todas as operações do Sistema de Saúde Mãe de Deus.

O resultado é um sistema hospitalar abrangente, com um expressivo alcance social e comunitário. Hoje, o Hospital Mãe de Deus administra mais de 1.450 leitos para a comunidade gaúcha – e cerca de 73% deles se destinam aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). O sustentáculo desse sistema está na sede do Hospital Mãe de Deus, onde os usuários encontram o que há de mais moderno em tecnologias médicas. Na instituição, concentram-se unidades de ponta no atendimento médico – como o Instituto de Medicina Vascular, o Instituto do Câncer e o concorrido Centro Clínico Mãe de Deus. Todos os pacientes, dos mais diversos segmentos da sociedade, encontram na marca Mãe de Deus exatamente os mesmos atributos essenciais: o serviço de excelência, o atendimento humanizado, a inovação e a preocupação em acolher todas as pessoas. Esforços cujos resultados podem ser traduzidos em números: em 2013, foram 82 mil consultas ambulatoriais; 16,2 mil internações; 35,7 mil cirurgias e 4,1 mil partos. Números que são sustentados por diferenciais. E diferenciais não surgem por acaso. Há quase 30 anos o Hospital Mãe de Deus se destaca pela qualidade na gestão. Não por acaso, é o único da região Sul a contar com certificações nacionais e internacionais de qualidade e segurança no atendimento – o da Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o da JCI, principal entidade do mundo no aferimento ao setor de Saúde. Os esforços da gestão também são empregados na elaboração de programas internos que perpetuam os atributos humanitários no contato com o público. Os investimentos em pesquisa e na capacitação do quadro de servidores são expressivos – e se materializam na Universidade Corporativa Mãe de Deus. Instaurada em 2004, foi a primeira do país na área hospitalar e ensejou a criação da Escola Superior de Saúde, em 2010, em uma união inédita com a Unisinos. O ambiente acadêmico de excelência da universidade oferece cursos de graduação, pós-graduação e mestrado, garantindo ao Mãe de Deus que todos os seus profissionais estão alinhados com a vanguarda do conhecimento em serviços médicos e hospitalares.

Surge um novo Mãe de Deus
As perspectivas para o futuro são animadoras. Nos últimos anos, o Hospital Mãe de Deus vem passando por uma série de obras de expansão e modernização. Os planos de melhorias vinham sendo gestados há tempos. Mas só se tornaram viáveis a partir da promulgação da lei municipal que concedeu incentivos aos projetos relacionados à realização da Copa do Mundo de 2014. Com experiência em atender pacientes de diferentes origens – no âmbito do promissor mercado de turismo médico –, o Mãe de Deus aproveitou a oportunidade para trazer ainda mais benefícios à população. Com o aval da Congregação Mantenedora, decidiu acelerar os investimentos que pretendia tirar do papel até 2022 e realizá-los antes mesmo do apito inicial da Copa.

O Mãe de Deus se lançou, assim, no desafio de erguer duas novas torres de serviços com mais de 15,2 mil metros quadrados de área de atendimento – tudo em apenas 20 meses. Uma delas traz estruturas inéditas, como três andares inteiros dedicados à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e um andar exclusivo para familiares – com sanitários, cafeteria, locais de repouso e outros serviços essenciais para oferecer aconchego e apoio nos momentos de grande apreensão. A nova estrutura também consolida uma mudança fundamental: a separação entre os pacientes internos e externos. Os internos passam a contar com equipes dedicadas e um atendimento ainda mais especializado e atencioso. Já os externos, que representam mais de 60% dos atendimentos do Mãe de Deus, passam a desfrutar de agilidade e fluidez do novo Centro de Diagnóstico Ambulatorial. Trata-se de um espaço inovador onde cada pessoa pode ser recebida, examinada e medicada – além de realizar exames e receber os laudos médicos no mesmo dia. As novas estruturas do Mãe de Deus nascem alinhadas com os novos conceitos de construção sustentável, com mecanismos de reaproveitamento das águas da chuva e de outros recursos naturais, além de um sistema 100% autônomo de geração de energia. E representam um passo fundamental na trajetória da instituição, que passa a contar com 40% mais leitos para cumprir seu papel primordial. Só no sistema ambulatorial, as obras abrem a oportunidade de elevar a capacidade de atendimento de 10 mil para 25 mil atendimentos por mês.

Outra mudança está no tradicional Centro Clínico da Rua Costa, que passa por uma importante remodelação. A ideia é transformá-lo em um grande conjunto de consultórios especializados, com médicos que darão retaguarda aos atendimentos do sistema ambulatorial. O Mãe de Deus se torna, assim, o único hospital do Rio Grande do Sul a contar com um modelo de pronto atendimento especializado. A expansão reforça a postura e o papel do Mãe de Deus como a maior instituição hospitalar privada do Rio Grande do Sul. E ajuda a colocar o estado em uma posição única no mapa nacional do setor médico e hospitalar. As novas estruturas revolucionam os processos e a capacidade de atendimento da instituição. E, claro, reforçam a sua grande missão: garantir soluções completas e integradas em saúde com desenvolvimento científico, tecnológico e humano. 


leia também

comentarios




Fernando Rosario

Creio que o que está colocado é muito certo, entretanto um ponto fundamental é muito ruim: o atendimento de emergência do Mãe de Deus. Me parece que médicos e atendentes estão mais preocupados com seus celulares e não com o atendimento aos pacientes. Não é regra geral, mas também não são poucas as situações por que passamos na emergência.

Comentar

Adicione um comentário: