Recessão não detém crescimento do cooperativismo catarinense

O faturamento avançou pelo oitavo ano consecutivo ao superar R$ 31 bilhões

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Cooperativismo catarinense soma receita de R$ 31,5 bilhões em 2016

O cooperativismo catarinense avançou 15% no ano passado, de acordo com a Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc). Foi o oitavo ano consecutivo de crescimento, após a crise financeira internacional de 2008/2009 que atingiu todos os continentes. A expressão do setor é reconhecida nacionalmente: as 265 cooperativas do Estado reúnem mais de 2 milhões de associados,  mantêm 58 mil empregos diretos e faturam mais de R$ 31,5 bilhões por ano. 

Ao apresentar avaliações e projeções, o presidente da Ocesc, Luiz Vicente Suzin, destacou que, em 2016, o setor investiu na base produtiva e na diversificação de produtos e serviços. “As cooperativas ignoraram a recessão de 2015 e 2016 e continuaram crescendo, com foco no mercado e aperfeiçoamento constante da gestão”, resumiu.

As 52 cooperativas agropecuárias representam 63% do movimento econômico de todo o sistema cooperativista catarinense. No conjunto, essas cooperativas mantêm um quadro social de 69.325 cooperados e um quadro funcional de 37.948 empregados. O faturamento anual do ramo agropecuário totalizou R$ 19,9 bilhões. As 62 cooperativas de crédito movimentaram R$ 5,2 bilhões no último ano. O segmento de saúde, com 30 cooperativas, faturou R$ 3,2 bilhões. O ramo de transporte, formado por 40 cooperativas, teve R$ 1,4 bilhão de movimento. No ramo de infraestrutura atuam 33 cooperativas de eletrificação rural. Em 2016, essas cooperativas faturaram R$ 739,5 milhões.


leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A utilidade de uma “marca Geni” - Ao eliminar o nome Monsanto, a má fama pode sobrar para a Bayer

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Agronegócio está no radar das startups catarinenses - Iniciativa de SC é a única apoiada pelo Bird na América Latina

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: