Setor atacadista tem receita estável em 2016

Abad projeta alta de 1% no faturamento neste ano

Por Agência Brasil

Setor atacadista tem receita estável em 2016

O faturamento do setor atacadista ficou praticamente estável no ano passado, com crescimento de 0,6%, segundo balanço divulgado pela Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (Abad). Com isso, as empresas do ramo fecharam o ano com R$ 250,5 bilhões em receitas. A entidade considerou o resultado satisfatório, tendo em vista o cenário de forte recessão enfrentado pela economia brasileira. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país) registrou queda de 3,6%.

Segundo a associação, em março, o faturamento do setor teve alta de 16,5% em relação a fevereiro, em um movimento comum para a época do ano. Em comparação com março de 2016, houve queda de 2,33% nas receitas do setor no mês passado. No acumulado de janeiro a março, a retração é de 6,15% em relação ao mesmo período do último ano. “Os números mostram ainda um cenário bastante prejudicado por conta do desemprego. Mas temos razões para crer que a tendência de queda esteja chegando ao fim”, ressaltou Emerson Destro, presidente da Abad. Para ele, as famílias parecem ter se aproximado de um limite no corte de gastos com produtos básicos de consumo.

A expectativa da entidade é que o setor tenha alta de 1% no faturamento em 2017. Os empresários do ramo de atacado de autosserviço, também conhecido como atacarejo, são os mais otimistas. Essas lojas oferecem preços menores e quantidades maiores de produtos aos consumidores finais, apresentando-se como uma alternativa de economia. Neste ramo, 88,2% esperam neste ano um resultado melhor do que em 2016. No atacado de balcão, que revende para comerciantes varejistas, 57,1% dos empresários acreditam que terão crescimento no faturamento em 2017 e 42,9% esperam resultado semelhante ao do ano passado.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A nova ambição do encantador de clientes - Galló anuncia missão de ser “o maior varejo de moda das Américas”

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A vingança de Camões - Massacrar o português não é passaporte para o sucesso. É só um atentado civilizacional

Ações da Braskem seguem em queda por Lava Jato - Os papéis desvalorizaram mais de 5% nesta quinta-feira

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: