Câmara aprova projeto sobre dívida dos Estados

O projeto prevê, por exemplo, redução de incentivos tributários e privatizações de estatais

Da Redação, com Agência Câmara

redacao@amanha.com.br

Câmara aprova projeto sobre dívida dos Estados


O Plenário da Câmara dos Deputados (foto) aprovou, por 301 votos a 127 e 7 abstenções, o substitutivo do deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ) para o Projeto de Lei Complementar (PLP) 343/17, que propõe um regime de recuperação de Estados endividados em situação de calamidade fiscal. A votação dos destaques apresentados à matéria, que podem modificar o texto final, ficou para esta quarta-feira (19), a partir das 9 horas.

O projeto prevê, por exemplo, uma carência de três anos no pagamento das parcelas da dívida em troca de contrapartidas como elevação de alíquotas de contribuição social de servidores, redução de incentivos tributários e privatizações. Entre as mudanças previstas no substitutivo está a que permite a assinatura de convênios para a prestação de serviços essenciais e para assistência social a pessoas com deficiência, idosos, mulheres e jovens em situação de risco enquanto durar o período da recuperação fiscal.

Pedro Paulo também alterou de 20% para 10% ao ano o percentual de redução das renúncias tributárias instituídas por lei estadual, exigida dos participantes do regime.



leia também

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

Dívida da maioria dos estados caiu no primeiro semestre - Paraná e Santa Catarina reduziram o endividamento enquanto o débito gaúcho aumentou

Estados sob rédea curta - Para Zeina Latif, se União quer alcançar disciplina fiscal, deve ser rígida na cobrança de dívidas dos entes federativos

Estados terão 10 anos para obterem meta de gastos da LRF - Prazo ainda é considerado curto por alguns governadores, afirma Amin

Região Sul luta por redução de juros na dívida com União - Santa Catarina e Rio Grande do Sul contestam cálculo do governo federal

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: