FMI prevê que Brasil crescerá 0,2% neste ano

Crise fiscal em alguns Estados, porém, preocupa o Fundo

Por Agência Brasil

FMI prevê que Brasil crescerá 0,2% neste ano

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que neste ano o Brasil sairá da recessão ao crescer 0,2%. Segundo o FMI, em 2018, a economia brasileira terá um desempenho ainda melhor, com elevação de 1,7%, 0,2 ponto percentual a mais do que o previsto pelo órgão em janeiro. “A melhora da situação do Brasil é resultado de uma menor incerteza política, da distensão da política monetária e do avanço do programa de reforma”, afirma o relatório Perspectivas Econômicas Globais. Mas o FMI também adverte que, no final de 2016, o investimento e o PIB ainda não tinham chegado ao ponto mais baixo e que, em alguns dos Estados, a crise fiscal continua se aprofundando.

Além disso, o FMI constatou que a inflação continua surpreendendo por seu baixo nível, o que aumenta as perspectivas de aceleração da expansão monetária. “Prevê-se que o crescimento se recupere gradualmente e se mantenha moderado. Com esse pano de fundo, as perspectivas macroeconômicas do Brasil estão submetidas à implementação de ambiciosas reformas estruturais de caráter econômico e fiscal”, acrescenta o relatório. O FMI recomendou reformas que abordem as obrigações de gastos insustentáveis, entre outras no sistema de Previdência Social e a adoção de medidas que consigam uma redução do déficit fiscal no início do período.

Neste ano, o FMI prevê para o Brasil uma inflação de 4,4%, e para 2018, de 4,3%. Já o índice de desemprego, segundo as estimativas do órgão, subirá para 12,1% em 2017 e cairá para 11,6% em 2018. As informações são da agência de notícias EFE.



leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A austeridade funciona ou só piora as coisas? - Gregos não tiveram opção a não ser aceitar mais medidas austeras

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: