As empresas procuram otimistas

Eles sempre esperam uma solução favorável, mesmo em uma situação difícil

Por Bernt Entschev

As empresas procuram otimistas, afirma Bernt Entschev

As organizações têm uma forte dosagem de incertezas o tempo todo. São crises econômicas que podem surgir, como a atual que o Brasil vive, ou mesmo crises institucionais. É neste cenário que surge um profissional determinado a provocar mudanças e aproveita o momento para descobrir novas soluções. O otimista é alguém disposto a enxergar os fatos sempre pelo lado positivo. Não importa o tamanho da dificuldade: ele sempre espera uma solução favorável, mesmo em uma situação muito difícil. 

Por outro lado, o otimista não é um alienado. Ele sabe que é difícil, mas isso não o incomoda. O fato de se ter um objetivo quase impossível não o desanima. Muito pelo contrário, pois ele é muito focado. Por isso, para as organizações esse tipo de profissional é muito conveniente e adequado, particularmente quando a empresa passa por momentos difíceis. 

O otimista mantém a moral da equipe sempre elevada. É um indivíduo que, normalmente, além de ser extremamente estimado pelas pessoas nas organizações, é de muita utilidade. No ambiente de trabalho, eles têm uma ação muito importante porque contagiam os colegas. Eles são quase que uma marca registrada.  A atuação deles pode ser em qualquer área, contudo os setores de vendas, marketing e tendências são onde os otimistas são mais vistos. 

O interessante é que o otimista também tem outro viés: a curiosidade, que passa por três fases: exploração daquele objeto ou ideia, investigação e, finalmente, o aprendizado. As empresas precisam cada vez mais de pessoas que têm comportamentos bem adequados e extremamente necessários como o otimismo.


leia também

PwC: CEOs brasileiros esperam crescimento neste ano - Otimismo é reflexo da recuperação econômica, avalia Fernando Alves

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: