Marelli deve romper marca de R$ 200 milhões com novo nicho de mercado

Divisória piso-teto pode representar um acréscimo de até 15% no faturamento da companhia já no primeiro ano

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Marelli projeta faturar R$ 207 milhões neste ano

A Marelli está ingressando em um novo nicho de mercado – o segmento de divisórias piso-teto (foto), através de licença de fabricação com a empresa italiana NeWall.  A novidade está sendo lançada ao mercado nesta semana, durante a 21ª Convenção da Marelli, que acontece em Caxias do Sul (RS).  A Marelli comprou a concessão de fabricação do produto no Brasil, sendo que uma das linhas foi desenvolvida com exclusividade para a marca. A companhia investiu R$ 1 milhão nesse novo segmento. A estratégia consiste em depender menos dos móveis, segmento que tem sofrido com a crise econômica brasileira. 

A projeção é que o novo produto represente um acréscimo de 10% a 15% no faturamento da Marelli já no primeiro ano, devendo chegar a 15% de representatividade no total de vendas da empresa até 2022. Em 2016, o faturamento do Grupo Marelli fechou em R$ 159 milhões. “Os primeiro negócios foram realizados no final do ano passado e estão sendo entregues agora. Nos showrooms, o produto está sendo instalado no primeiro semestre de 2017”, antecipa Daniel Castilhos, diretor de marketing da Marelli. O segmento ajudará a fabricante de mobiliário para escritórios a atingir seu principal objetivo: crescer 30% em relação ao ano passado, o que fará com que a empresa atinja o patamar de receita de R$ 207 milhões. Entre as novidades para o ano, a marca também planeja abrir uma loja-conceito, que será uma filial da fábrica, em São Paulo (SP).  O aporte aproximado  na unidade será de R$ 2,5 milhões.


leia também

A magia do vinho no sudoeste da França - Fernando Dourado Filho conta como a bebida pode mudar o rumo dos negócios

A Pauliceia desvairada - São Paulo tem uma legião de fãs e que certamente não a trocam por lugar nenhum no mundo

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

Ano do Galo: hora de encarar o dragão chinês - Não há mais como o Brasil, a futura quinta maior economia mundial, deixar de levar a maior economia a sério

Artecola: o impulso que vem de fora - Presente em sete países, empresa colhe os frutos da internacionalização

As grandes tacadas da Weg no Brasil e no exterior - Empresa catarinense encontra novas oportunidades de negócio

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: