Governadores do Sul e da Argentina lançam a Carta de Porto Alegre

Documento sugere que países criem empresas orientadas à integração de cadeias de valor focadas na agroindústria

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Governadores do Sul e de províncias argentinas lançam a Carta de Porto Alegre

A reunião de governadores Brasil Sul e Argentina realizada em Porto Alegre, nesta sexta-feira (31), buscou aprofundar a cooperação entre os representantes dos dois países na promoção de ações públicas em comum. Ao longo do dia, foram debatidas propostas como a da criação de um Centro de Promoção Comercial e Investimentos entre Argentina e Brasil na capital gaúcha. O encontro contou com a participação do governador Raimundo Colombo, do governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, e do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. O Governo do Paraná foi representado pelo secretário de planejamento e coordenação geral, Cyllêneo Pereira Pessoa Júnior, e pelo secretário executivo do Codesul, Antônio Carlos Pauli Bettega. Do lado argentino, participaram representantes como os governadores das províncias de Misiones, Hugo Passalacqua, e de Chaco, Oscar Domingo Peppo; e os representantes das províncias de Corrientes e ministro de Estado, Eduardo Alejandro Viscy, e de Tucuman e secretário de Relações Internacionais, Jorge Neme; além do embaixador da Argentina no Brasil, Carlos Magariños.

Ao final do encontro, foi divulgado o documento batizado Carta de Porto Alegre, elaborada pelos governadores em reunião no Palácio Piratini ao final do dia. Entre as medidas propostas, os governadores sugerem que o Brasil e a Argentina promovam a criação de empresas, inclusive cooperativas, binacionais, orientadas à integração de cadeias de valor dos setores produtivos de ambos os países, com ênfase na agroindústria. Outra proposta é de criação de um centro de promoção comercial e investimentos entre Argentina e Brasil na cidade de Porto Alegre. Para isso, propõem reforçar as estruturas dos governos federais presentes no Rio Grande do Sul, a fim de que esse centro seja um verdadeiro espaço de promoção comercial e investimentos, colaborando, deste modo, a impulsionar, ainda mais, a integração e o intercâmbio técnico, científico e cultural, bem como a facilitação dos negócios na região, especialmente para as pequenas e médias empresas. No documento, apontam ainda que a realização da próxima reunião de governadores da região Sul do Brasil e da Argentina será em uma província do país vizinho ainda a ser definida.

Aproximação
Raimundo Colombo destacou a importância de uma aproximação ainda maior entre Brasil e Argentina para ampliar negócios. "Essa união é fundamental, no sentido de ficarmos mais fortes e termos melhores resultados. Queremos promover mais parcerias entre nossos mercados e também somarmos força para ampliar nossas exportações para destinos em comum, como a Ásia e os Estados Unidos", afirmou. O governador catarinense também apontou a importância do encontro para o debate de ações em conjunto para promoção da segurança nas regiões de fronteira. 

Anfitrião do encontro, o governador José Ivo Sartori lembrou dos 30 anos da criação do Mercosul como exemplo histórico de integração e ressaltou que os atuais desafios da economia mundial reforçam a necessidade do trabalho em conjunto para promover os países latino-americanos. "O Rio Grande do Sul, por sua localização estratégica, quer ajudar a construir conexões estratégicas. Um esforço em comum pode garantir uma nova dinâmica para o desenvolvimento dos nossos estados e países, como promoção de emprego e renda", destacou.

O encontro foi o primeiro passo para colocar em prática o plano bilateral acordado pelos presidentes Michel Temer e Maurício Macri, em fevereiro deste ano, durante visita oficial do argentino a Brasília. O ministro Eliseu Padilha ressaltou que a Argentina é o principal parceiro internacional do Brasil e afirmou que os dois governos trabalham em um plano bilateral prevendo medidas nas áreas comerciais, na promoção da segurança pública, na busca pela construção de uma regulamentação em comum e em ações sanitárias.


leia também

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A Confraria da Conversa e do Prazer - Somos quatro amigos e todo ano viajamos para uma parte do mundo para descobrir juntos as delícias do "terroir" local

A luz no final do túnel é um trem chinês - O país de proporções gigantescas mantém a estratégia de crescer

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: