SC: indústria da carne deve perder US$ 260 milhões

Operação da Polícia Federal é a causa do prejuízo

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Indústria da carne catarinense deve perder US$ 260 milhões em razão da Operação Carne Fraca

Com a suspensão dos embargos à carne brasileira, imposta por mercados mundiais depois da deflagração da Operação Carne Fraca da Polícia Federal, as indústrias do setor em Santa Catarina computam os prejuízos. Enquanto no Brasil a perda deve atingir US$ 1 bilhão até dezembro, as agroindústrias catarinenses estimam que deixarão de ganhar US$ 260 milhões. O cálculo é de José Antônio Ribas Júnior, presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav) e diretor do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados de Santa Catarina (Sindicarne). Essa cifra é a soma da queda nas receitas totais das empresas com o mercado interno e o mercado mundial. Do dia 17 até esta semana, os prejuízos parciais já são avaliados em US$ 200 milhões no plano nacional e em US$ 40 milhões em Santa Catarina.

A queda nas exportações, que atingiu 99% nos primeiros dias, recuou para 19% nesta semana e deve entrar em lenta marcha de recuperação até dezembro. Mesmo assim, em razão do volume, as perdas no ano atingirão uma cifra bilionária. China, Hong Kong, Egito, Chile e outros países retiraram as restrições, mas o mercado ainda não retornou à normalidade. “Uma coisa é o país suspender o embargo, outra é voltar a comprar”, assinala o dirigente. No primeiro semestre deste ano a redução das exportações será mais acentuada e o ano deve encerrar com queda de 10% em faturamento e de 5% a 6% em volume. A cadeia da avicultura industrial catarinense responde por 26% da exportação brasileira.

As entidades alertam, ainda, que os mercados não serão retomados automaticamente e exigirão muitos esforços das empresas e do governo. Os embarques não realizados e os preços impactados negativamente [muitos países importadores barganham redução em razão do desgaste que o episódio provocou] determinarão a queda de receita. "Por isso, haverá uma fase de ajustes no setor produtivo e, possivelmente, muitas indústrias reduzirão o ritmo de produção e algumas darão férias coletivas", antevê Ribas Júnior.


leia também

A prosperidade de psicanalistas e criminalistas - Os desdobramentos das operações em curso vão escancarar certos porões onde só rara vez entrou a luz solar

Agora quem não quer sou eu - E quando a empresa pisa na bola e compromete a imagem da celebridade que a endossa?

Alexandre Almeida comandará a BRF no Brasil - Companhia catarinense também anunciou outras mudanças

As inúmeras lições da Operação Carne Fraca - Glauco Côrte analisa a ação que afetou o setor agroindustrial

Brasil pode perder até R$ 2 bi por escândalo da carne - AEB leva em conta a redução de preços e a perda de mercado

BRF ainda calcula os prejuízos da Carne Fraca - Alguns reflexos serão sentidos nos resultados do próximo trimestre

comentarios




Wanderley W. Ayres

A Polícia Federal é culpada no sentido de haver divulgado e alardeado as irregularidades dos frigoríficos envolvidos. A culpa pelo problema como um todo é dos frigoríficos que estavam operando irregularmente indo contrário à saúde pública para manter seus lucros. De qualquer forma, o problema se restringe somente aos frigoríficos agora identificados? Trabalhei em 1995 com frigorífico onde os inspetores federais recebiam salário da empresa e seus carimbos eram usados normalmente pelos funcionários que não eram inspetores federais.

Comentar

Adicione um comentário: