Consórcios de imóveis apostam em alta das vendas

Ademilar teve crescimento de 57,4% até fevereiro

Por Agência Brasil

Paranaense Ademilar registrou crescimento de 57,4% nas vendas até fevereiro

Com oferta de taxas menores em comparação às dos financiamentos bancários, as administradoras de consórcios de imóveis esperam que a procura pela modalidade continue este ano. Em janeiro, as vendas de novas cotas cresceram 14,7%, somando R$ 2,2 bilhões, valor 28% maior do que o registrado em  2016, conforme dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). 

De acordo com o setor, uma das vantagens de um consórcio imobiliário é o custo menor. A taxa média de juros nos financiamento da casa própria giram entre 8% e 9% ao ano. Os consórcios cobram taxas administrativas menores, por exemplo, de menos de 2% ao ano. Não há cobrança de juros.  “Na hora de tomar uma decisão sobre o que é melhor, o que pesa no bolso do consumidor é a diferença de custo", disse André Marini, diretor comercial da Ademilar Consórcio de Investimento Imobiliário (foto), com sede em Curitiba e filiais em Joinville (SC) e São Paulo, que registrou crescimento das vendas de 57,4% no primeiro bimestre, taxa acima da média registrada no ano passado (35%).

O professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV) Alberto Ajzental alerta que quem pretende comprar a casa própria por meio de um consórcio deve estar ciente que não recebe o bem de imediato, assim que contrata o consórcio. O interessado precisará pagar uma cota mensal. E receberá a carta de crédito se for contemplado em um sorteio entre os participantes do consórcio ou quando oferece o lance mais alto. Não há garantia de que receberá o crédito logo nos primeiros meses. 

Os especialistas ensinam que esse é um investimento de longo prazo, ou seja, não é indicado para quem precisa de um imóvel com urgência. “No financiamento [bancário], estará pagando por um bem já disponível", diz Ajzental. Ele chama atenção para quem paga aluguel e pretende adquirir um consórcio. Neste caso, a pessoa deve estar atenta para não comprometer parte significativa da renda com os dois pagamentos.


leia também

ADVB-PR elege Maroan Tohmé Personalidade de Vendas 2018 - Tatiana Reichmann, da Ademilar, é a Empresária do Ano

CMN muda regra para facilitar compra de imóveis mais caros - Bancos estão autorizados a financiar até R$ 1,5 milhão com juros baixos

Guarida Imóveis: uma história de tradição e futuro - Conheça a empresa, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

Hora de comprar imóveis é boa e ainda vai melhorar - A aposta é de Antonio Brown, sócio da consultoria XCare

Maior rede de imobiliárias do mundo terá novo ponto no Sul - Já presente no Paraná, Re/Max desembarca no Rio Grande do Sul

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: