PhDs em instabilidade

Empresários venezuelanos e brasileiros se parecem em algumas coisas

Por André D´Angelo

Empresários venezuelanos e brasileiros se parecem em algumas coisas

Se as sucessivas crises econômicas e a permanente instabilidade institucional brasileiras tiveram alguma utilidade, foi a de forjar os empresários e gestores mais criativos e flexíveis do mundo. Constatação que não é minha, por sinal, e sim de recrutadores de multinacionais de todos os portes e setores.

Pois agora uma nova geração de profissionais com essas características parece estar sendo gestada pertinho daqui, em solo venezuelano. Caracas e arredores estão repletas de empreendedores com perfil semelhante ao brasileiro, segundo conta a imprensa:

“Quem consegue empreender no país é uma espécie de ‘herói’, porque requer muita criatividade desenvolver um negócio diante de todas as dificuldades que estão afetando os cidadãos venezuelanos.(...) O segredo para empreender na Venezuela  é ‘ser sempre engenhoso, criativo, adaptável e flexível às mudanças’, pois trata-se de um país onde ‘as condições sempre mudam’ e os ‘processos são dinâmicos’” (leia matéria completa aqui).

O perfil de empresários e executivos deriva muito das características culturais de um país, bem como de seu ambiente de negócios. À medida que a globalização e as novas tecnologias avançaram, o cenário competitivo internacional passou a se assemelhar um pouco mais com aquele encontrado em países em desenvolvimento, como os da América do Sul e da Ásia, e a se distanciar das estáveis economias do hemisfério norte. Ponto para quem já estava acostumado com circunstâncias parecidas.

 Hoje, porém, a instabilidade parece ser a ordem onde quer que se esteja. Homens e mulheres de negócios dos Estados Unidos estão permanentemente de olho no imprevisível presidente Donald Trump, enquanto o avanço do populismo conservador atemoriza também o empresariado europeu. 

Mas nada se compara, claro, ao que ocorre na Venezuela atualmente. Se existe algum consolo para quem atua por lá é saber que, enquanto europeus e norte-americanos recém começaram sua graduação em mercados instáveis, Caracas e adjacências produzirão a maior quantidade de doutores em imprevisibilidade do mundo. 

Como o Brasil o fez, lá na década de 1980 – e, esperamos, nunca mais precise fazer.   


leia também

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Aprenda a economizar em época de crise - Veja como adquirir produtos de qualidade e com baixo custo

As estratégias da Sepac para enrolar a crise - Fabricante de papel sanitário quer conquistar novos mercados

As grandes oportunidades para empreender em 2017 - Sebrae revela onde estão os negócios mais promissores no país

Bendita crise - Para Rafael Rojas Filho, cenário atual trará uma inevitável consolidação de empresas – e só restarão as eficientes

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: