Salton fecha 2016 com faturamento de R$ 377 milhões

Para 2017, a previsão da vinícola é de um crescimento global de 12,3% em comparação ao ano passado

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Salton fecha 2016 com faturamento de R$ 377 milhões

A Salton (foto) encerrou o ano com um faturamento de R$ 377 milhões, o que representa um crescimento financeiro de 11,5%, em comparação a 2015. Houve um registro de queda de 11% no volume de vendas de fermentados (vinhos e espumantes) e um incremento de 5,2% na linha de destilados, impulsionado pela Vodka Vorus, que atingiu uma venda de mais de 100 mil caixas em seis meses de lançamento. Outro novo produto colocado no mercado, Grape Tea – uma mistura de extratos de chás com suco de uva –, uma inovação mundial, pode ser encontrado em quatro sabores.

“Apesar de termos enfrentado um ano difícil, devido a quebra da safra em 60%, o que reduziu consideravelmente os estoques, tivemos um bom desempenho, ainda mais considerando o sucesso dos lançamentos e a ampliação de portfólio. Foi um desempenho bastante positivo  mesmo. A partir do nosso planejamento estratégico, foi possível manter o crescimento e o resultado esperado”, ressalta Daniel Salton, presidente da vinícola que completou 106 anos em agosto de 2016. 

Outro ponto positivo do ano que passou para a Salton foi a presença no mercado externo. As vendas da vinícola aumentaram 130% em relação a 2015, com destaque para a preferência internacional pelos vinhos, que representaram 65% do volume de exportação, seguidos pelos espumantes com 25% das vendas, e os destilados e suco de uva, 10%. “É importante ressaltar que o nosso foco é a qualidade e não grandes volumes, justamente por trabalharmos com os produtos premium e de valor agregado no mercado externo. Em cinco anos, projetamos que a exportação chegue a representar 5% do nosso faturamento”,  lembra o presidente.

Para 2017, a previsão da Salton é de um crescimento global de 12,3% em comparação ao ano passado. “Acreditamos que será um ano mais positivo, pois esperamos uma reação da economia de uma forma geral e não aguardamos mudanças nos impostos, uma vez que as alíquotas já estão firmadas. Tudo indica que teremos uma safra de qualidade, que também vai nos permitir retomar a produção de produtos que entraram em ruptura em 2016, como os brancos da linha Salton Classic, os sucos de uva e os filtrados”, projeta.  A estratégia da empresa é seguir com os lançamentos que surpreenderam no volume de vendas como as vodcas e os chás e também investir em novas safras de produtos e algumas ampliações de linhas. Além disso, haverá investimento, principalmente, nos vinhedos próprios em Santana do Livramento, com o plantio de nove novos hectares.


leia também

A magia do vinho no sudoeste da França - Fernando Dourado Filho conta como a bebida pode mudar o rumo dos negócios

Abilio Diniz se torna sócio minoritário da Wine - Valor da transação do e-commerce de vinhos, que pertence ao Grupo RBS, não foi revelado

Crise? Onde mesmo? - Na contramão da economia, cooperativa vinícola Garibaldi deve faturar 17% a mais neste ano

Grupo DiPaolo planeja abraçar o Sul - Empresário Paulo Geremia pretende abrir unidade em Curitiba até 2018

Laboratório de Referência Enológica passará por modernização - Aporte de R$ 18 milhões ajudará no controle mais efetivo dos vinhos brasileiros comercializados no país

O rejuvenescimento da Festa Nacional da Uva - Evento do Sul que destaca a imigração italiana ensaia atrair jovens, mas sem abandonar o culto aos antepassados

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: