Azevêdo é eleito para segundo mandato na OMC

Embaixador deu forma ao AFC, acordo que gerará US$ 1 trilhão em negócios

Por Agência Brasil

Roberto Azevêdo é eleito para segundo mandato como diretor-geral da OMC

O embaixador brasileiro Roberto Azevêdo (foto) foi reconduzido pelo Conselho Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) para um segundo mandato de quatro anos como diretor-geral da instituição. O novo mandato tem início em 1º de setembro deste ano. Roberto Azevêdo era candidato único. Para o Ministério das Relações Exteriores (MRE), esse fato expressa o amplo reconhecimento dos membros da OMC à contribuição do diretor-geral para os resultados alcançados pela organização durante seu primeiro mandato (2013-2017).

Na Conferência Ministerial de Bali, em 2013, concluiu-se a negociação do Acordo de Facilitação de Comércio (AFC), a primeira negociação multilateral celebrado pela OMC desde sua criação em 1º de janeiro de 1995. O acordo global para agilizar o comércio exterior entrou em vigor no último dia 22.  Segundo a OMC, 110 países, o que equivale a dois terços dos membros do organismo, confirmaram a adesão ao AFC, número necessário para que entre em vigor. A estimativa é que o acordo reduza os custos das operações comerciais em 14,3% em média e gere US$ 1 trilhão de comércio por ano. Desse total, US$ 730 bilhões serão gerados em países em desenvolvimento.

Ainda segundo o Itamaraty, na gestão de Azevêdo à frente da OMC, na Conferência Ministerial de Nairobi, em dezembro de 2015, chegou-se a entendimento histórico sobre o fim dos subsídios à exportação de produtos agrícolas. “No dia 23 de janeiro último, entrou em vigor o Protocolo de Emenda ao Acordo de TRIPS (Acordo sobre Aspectos de Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados a Comércio), que facilita as condições de acesso de países em desenvolvimento a medicamentos essenciais”, acrescenta, em nota, o MRE.

O Itamaraty destaca que o Brasil apoiou “decididamente” a recondução ao cargo do diretor-geral da OMC “movido pelo reconhecimento de suas contribuições durante o primeiro mandato e pela convicção de que continuará a contribuir, em circunstâncias internacionais cada vez mais desafiadoras, para o fortalecimento do sistema multilateral de comércio”.


leia também

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

AFC poderá gerar até US$ 1 trilhão de comércio por ano - Desse total, US$ 730 bi serão gerados em países em desenvolvimento

Barreiras comerciais restringem competitividade de produtos brasileiros - Opinião é do diplomata Celso de Tarso Pereira, que participou do 4º Fórum de Agricultura da América do Sul, em Curitiba

OMC confirma maior condenação do Brasil por incentivo à indústria - Decisão atende a queixas feitas pela União Europeia e Japão. Governo já prepara recurso

OMC vê ilegalidade na política industrial brasileira - A queixa contra os programas foi levada ao órgão pela UE e Japão

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: