Superávit atinge terceiro melhor nível da história

Em janeiro, o governo conseguiu economizar R$ 18,9 bilhões

Por Agência Brasil

Superávit primário atinge terceiro melhor nível da história

A redução das despesas em ritmo maior que a queda nas receitas fez o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Governo Central) registrar o terceiro maior superávit primário da história para meses de janeiro. No mês passado, a economia totalizou R$ 18,9 bilhões, alta de 21,4% acima da inflação em relação ao superávit registrado em janeiro de 2016 (R$ 14,8 bilhões). O valor é o maior para o mês desde 2013 (R$ 26,2 bilhões). O superávit primário é a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública. O esforço fiscal, no médio e no longo prazo, reduz o endividamento do governo.

As receitas líquidas caíram 9,1%, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A retração deve-se ao fato de que, em janeiro do ano passado, a União tinha recebido R$ 11,1 bilhões do bônus de outorga referente à concessão de 29 usinas hidrelétricas, receita que não se repetiu em 2017. As despesas, no entanto, caíram mais: 13,6%, também descontada a inflação.

As maiores reduções de gastos ocorreram nas despesas discricionárias (não obrigatórias), que caíram 50,4% em janeiro de 2017 em relação ao mesmo mês do ano passado, abatido o IPCA. As despesas obrigatórias, excluídos os gastos com a previdência e o funcionalismo, caíram 23,2%, motivadas pela redução de gastos com subsídios, com a diminuição do pagamento do abono salarial provocada pelas novas regras de concessão do benefício e com a reversão parcial da desoneração da folha de pagamento.

As despesas de custeio (gastos com a manutenção da máquina pública) caíram 40,6% no primeiro mês do ano. Os investimentos, gastos com obras públicas e compras de equipamentos, somaram R$ 1,2 bilhão em janeiro, com forte queda real (descontada a inflação) de 79,3% em relação aos R$ 5,5 bilhões registrados em janeiro do ano passado. Os custos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), principal programa de investimento do governo, totalizaram R$ 786,2 milhões em janeiro, despencando 80% em termos reais em relação ao registrado em janeiro de 2016 (R$ 3,7 bilhões). Os gastos com o Programa Minha Casa, Minha Vida somaram R$ 77,9 milhões em janeiro, retração real de 87,3% em relação ao registrado no mesmo mês do ano passado (R$ 580,6 milhões).

Previdência
Apesar da queda na maior parte dos tipos de despesa, os gastos com a Previdência Social subiram 7,5% acima da inflação em janeiro em relação ao mesmo mês do ano passado. Os gastos com o funcionalismo registraram alta de 5,8% acima da inflação na mesma comparação.


leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

As inúmeras vantagens do “preço dinâmico” - Um estudo mostra que tarifas variáveis beneficiam o consumidor

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: