Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016

As sobras destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016

A Coamo (foto) anunciou na quarta-feira (15), em Campo Mourão (PR), que obteve um crescimento de 7,3% nas receitas globais, somando R$ 11,4 bilhões. As sobras [como se chama o lucro distribuído entre os associados ao final de cada ano fiscal] destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões. 

De acordo com o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, o estoque de passagem dos produtos agrícolas em 2016 foi de 29,3 milhões de sacas. Ele revela que se estes volumes fossem comercializados no ano, ao preço médio de venda, importaria em R$ 1,8 bilhão. Já os bens de fornecimento que foram contratados em 2016 e não retirados somaram R$ 895,2 milhões. “O total destes valores elevaria o faturamento para R$ 14,1 bilhões, o que proporcionaria um crescimento de 33%”, ressalta. 

Apesar da crise que o país vem passando em diversos setores, em 2016 a agricultura conseguiu apresentar números positivos. O ano ficou marcado por preços mais elevados para os produtos soja, milho e trigo. “No primeiro semestre, a quebra da safra de soja brasileira e as preocupações com os efeitos da La Niña sobre a safra norte-americana, suplantaram o impacto da queda do dólar e refletiram em preços elevados aos associados, atingindo os maiores preços já praticados pelo mercado”, salienta. Em 2016, a cooperativa recebeu 6,6 milhões de toneladas de produtos, correspondente a 3,5% da produção brasileira de grão. A Coamo tem 111 unidades, localizadas no Paraná, em Santa Catarina e no Mato Grosso do Sul. 



leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Alimentando o mundo em desenvolvimento - Uma nova Revolução Verde dará conta da demanda?

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

comentarios




João Preslhak

Tenho inveja dos cooperados da Coamo. Pena que não posso ser um deles!

Comentar

Adicione um comentário: