Dólar apresenta nova queda e fecha em R$ 3,06

A grande entrada da divisa no Brasil explica o movimento

Por Agência Brasil

Dólar volta a cair e fecha em R$ 3,06

O dólar encerrou esta quarta-feira (15) a R$ 3,06 em mais um dia de desvalorização da moeda norte-americana, na menor cotação desde 18 de junho de 2015. Na terça-feira (14), o dólar fechou em R$ 3,096. Assim como ontem, o Banco Central vendeu nesta quarta-feira mais 6 mil contratos de swap cambial tradicional, operação que equivale à venda de dólares no mercado futuro.

Segundo o diretor da área de futuros da Spinelli Corretora, Esthevão Sampaio, a desvalorização do dólar nos últimos dias pode ser explicada por uma “sincronia de situações”, entre elas a grande entrada da divisa no Brasil. “Muitos estão se aproveitando do fim de crise para trazer dinheiro e poder fazer algum investimento ou aplicação em renda fixa, que ainda é uma grande aposta porque os juros nesse patamar ainda dão um bom retorno”, declarou. A queda dos juros também explica em parte o movimento de retração do dólar.

Há também, segundo Sampaio, um otimismo com o contexto político e econômico no país, embora as mudanças ainda não tenham ocorrido na prática. “O governo hoje tem maioria no Congresso, tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado Federal e então, para lutar pelas reformas, ele está bem calçado. Isso traz otimismo, mesmo que na prática isso não esteja vigorando ou sendo notório”, entende Sampaio. “Existe um patamar psicológico. Os R$ 3 é psicológico. Quando chegar ali, vamos ver o que vai acontecer. Mas, de um modo geral, há um consenso no mercado de que ele vai furar os R$ 3. Talvez até uns R$ 2,95 ou R$ 2,98”, prevê. 

Para o economista Rogério Storelli, gestor da GGR Investimentos, parte da desvalorização do dólar pode ser explicada pela especulação. “O mercado está testando um pouquinho para ver quando o Banco Central voltaria a comprar dólares”, argumenta. Outro fator para a desvalorização seria o otimismo do mercado com a possível reforma da Previdência, que já começou a ser discutida na Câmara. “Esses motivos, conjugados com a calmaria do mercado internacional – e o Donald Trump ainda não anunciou as medidas econômicas –, o corte de impostos e o plano de infraestrutura têm contribuído para que investidores estrangeiros tenham um pouco mais de apetite ao risco, trazendo recursos para o Brasil”, sublinha Storelli. Ao contrário do analista da Spinelli Corretora, Storelli não aposta na continuidade da queda do preço do dólar. Segundo ele, não há fundamentos fiscais que sustentem a valorização do real frente à moeda norte-americana.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: