Movimentação portuária registra queda de 1% em 2016

Porto de Rio Grande teve alta de 29% na circulação de mercadorias

Por Agência Brasil

Porto de Rio Grande destacou-se com 29% de aumento na circulação de mercadorias em 2016, revela Antaq

Os portos brasileiros movimentaram 998 milhões de toneladas durante o ano passado, uma queda de 1% em relação ao ano anterior. Em 2015, a movimentação havia sido de 1 bilhão de toneladas. Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) em evento na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista. De acordo com o diretor-geral da Antaq, Adalberto Tokarski, a queda, considerada pequena, foi impactada pela quebra de safra do milho, que levou à baixa na movimentação de 37,5%. “Este ano [houve] uma pequena queda. A gente poderia nem falar em queda, se não tivesse ocorrido o veranico em algumas regiões do Brasil”, recordou. 

O milho movimentou 21,4 milhões de toneladas nos portos brasileiros em 2016, um declínio de 37,5% em relação ao ano anterior. A soja movimentou 61,9 milhões de toneladas, uma retração de 3,2%. A carne, cuja movimentação girou em torno de 6,3 milhões de toneladas, teve uma queda 4%. A navegação de longo curso registrou contração de 1,7%, influenciada pela recessão e variação do câmbio. Os principais produtos movimentados foram minério de ferro, com 376 milhões de toneladas, crescimento de 3,1%, estimulado pela demanda proveniente da China. Combustíveis, cuja movimentação foi de 223 milhões de toneladas, registraram queda de 3,8%, influenciado pelo cenário econômico.

Os terminais de uso privado responderam por 66% da movimentação, restando 34% aos portos organizados. O ministro dos Transportes, Portos e Aviação civil, Maurício Quintella Lessa, anunciou que o Porto de Rio Grande (foto), no Rio Grande do Sul, destacou-se com 29,1% de aumento na movimentação.

Prioridades
Quintella declarou que a junção de pastas feita por Michel Temer [que agregou rodovias, aviação e portos, além das agências reguladoras Antaq, a Anac, a Infraero e a Secretaria de Portos] criou um “ministério gigante”, o que trouxe vantagens. “Pela primeira vez na história, temos oportunidade de pensar em todos os meios de transporte de forma interligada”, avaliou. Segundo ele, a prioridade do governo são as dragagens dos portos. No último dia 8, o ministro assinou o contrato de dragagem de aprofundamento e adequação do acesso ao Porto de Santos, com investimento de R$ 369 milhões. A segunda prioridade do governo será melhorar o acesso aos portos. Quanto às rodovias, foram selecionadas 89 obras – 56 delas devem ser concluídas até o final de 2018.


leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

ABDI: crise argentina deixa Brasil sob alerta - Setor automotivo deve sofrer maior impacto

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: