Fitch: paralisação política pode acarretar perda de nota

A estabilização do déficit público segue como o maior desafio do Brasil

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Fitch: paralisação política pode acarretar a perda de nota de crédito do Brasil

A agência de classificação de risco Fitch Ratings reafirmou a nota do país (BB, com perspectiva negativa, ou dois níveis abaixo do grau de investimento). Ao comentar o fato, a Fitch afirmou que a economia fraca e a estabilização do déficit público seguem como os maiores desafios do país. A agência, inclusive, fez um alerta: a inabilidade em gerar medidas que façam a economia retomar o crescimento poderá fazer com que o Brasil tenha sua nota de crédito rebaixada. “O fracasso em reduzir o ritmo de crescimento da dívida pública e/ou a cristalização de passivos contingentes podem levar a um novo rebaixamento. Paralisação política e incapacidade de implementar medidas que melhorem a perspectiva de crescimento e das finanças públicas também podem acarretar a perda de nota”, reitera a Fitch.

A Fitch repetiu a importância do Congresso aprovar a reforma da previdência . A instabilidade política, deflagrada pela Operação Lava Jato, também foi destacado como um ponto de atenção em seu comunicado. Em novembro, Rafael Guedes, diretor-geral da agência no Brasil, mostrava a mesma preocupação na palestra que fez na cerimônia de premiação do tradicional ranking GRANDES & LÍDERES – 500 MAIORES DO SUL, desenvolvido pela Revista AMANHÃ e PwC. “A Lava Jato continuará a produzir incertezas enquanto o desafio político será interromper a antecipação da agenda eleitoral de 2018”, destacou Guedes. “Para o retorno do crescimento será necessário aportar recursos em infraestrutura, atrair investimento privados e reduzir endividamento do setor público”, alertou. 

A agência também avaliou a crise fiscal nos Estados. “Alguns Estados enfrentam forte estresse financeiro, incutindo um risco negativo para consolidação fiscal. Na ausência de taxas de crescimento mais elevados, é pouco provável que o gradualismo fiscal do governo Temer estabilize a dívida pública no curto prazo”, destaca o comunicado. A Fitch projeta que a economia brasileira saia da recessão este ano, embora note que a contração observada no terceiro trimestre de 2016 mostre uma fraqueza do investimento e do consumo.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: