Faltam robôs. Mas quem vai trabalhar com eles?

A baixa oferta de profissionais levou a Pollux a investir em iniciativas que incentivem a pesquisa na área

Da Redação

redacao@amanha.com.br

A baixa oferta de profissionais de robótica levou a Pollux a investir em iniciativas que incentivem a pesquisa na área

Desafiada a aumentar sua competitividade, a indústria brasileira precisa acelerar o passo – e muito – na automação. Hoje, há somente 10 mil robôs instalados em todas as fábricas do país. No Japão, o número ultrapassa os 262 mil. O potencial de expansão da robótica parece não ser o suficiente para atrair novos profissionais. No Brasil são 34 cursos de Engenharia Mecatrônica credenciados pelo Ministério da Educação, com a oferta de 3,9 mil vagas por ano. Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), por exemplo, graduações na área de tecnologia não aparecem entre as mais procuradas nos últimos anos.

A baixa oferta de profissionais levou a Pollux Automation (foto), empresa de automação de Joinville (SC), a investir em iniciativas que incentivem a pesquisa na área. É o caso do Desafio Estadual da Robótica – maior evento do gênero na região Sul. “Nós temos, atualmente, uma carência de profissionais na área de exatas. Esse tipo de evento incentiva as crianças a se apaixonar pela tecnologia e não desistir dessa formação. Assim, teremos mais profissionais capacitados para trabalharem empresas de tecnologia no futuro”, defende José Rizzo Hahn Filho, diretor presidente da Pollux Automation.


Realizado pela RoboMind – Robótica Educacional, o evento contou com a participação de 72 grupos de estudantes de robótica de 23 cidades catarinenses. O desafio propôs uma competição pedagógica, baseada na realização de cinco diferentes provas. A bandeirada para o início da competição foi feita por um robô colaborativo da Pollux – modelo que pode executar praticamente qualquer tarefa. A equipe vencedora do desafio cumpriu a prova em quatro horas. Caso a competição contasse com o auxílio dos autômatos colaborativos da Pollux – que possibilitam a interação com humanos –, as tarefas da competição seriam cumpridas ainda mais rapidamente.


leia também

comentarios




Rogério Figurelli

Já se foi o tempo que os robôs eram apenas mecânicos e utilizados no chão de fábrica para automação. A robótica evoluiu e hoje os softwares robôs substituem cada vez mais as atividades cognitivas humanas, além dos trabalhadores de todas as áreas.

Ricardo Ventura

Eu! Estou procurando estágio na área de automação faz mais de 1 mês. Obrigado.

Comentar

Adicione um comentário: