CNI: índice de confiança do empresário melhora

Fatores como a redução dos juros animaram industriais

Por Agência Brasil

Fatores como a redução dos juros animaram industriais

O Índice de Confiança do Empresário Industrial alcançou 50,1 pontos em janeiro de 2017, o que significa aumento de 2,1 pontos com relação a dezembro. A informação foi divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). É a primeira vez que o índice sobe em três meses. Além disso, o indicador ficou ligeiramente acima da linha divisória dos 50 pontos, que separa o pessimismo do otimismo. Com relação a janeiro de 2016, o índice subiu 13,6 pontos. No entanto, continua abaixo da média histórica, de 54,1 pontos. A confiança melhorou principalmente nas grandes empresas, onde o indicador da confiança do empresário passou de 50,3 em dezembro para 52,7 pontos em janeiro. Nas pequenas empresas, o indicador subiu de 44,4 para 46,3 pontos e nas médias, de 46,7 para 48,6 pontos.

Na avaliação da CNI, a melhora é resultado de fatores como o anúncio de medidas para recuperar a economia, a redução dos juros e a desaceleração da inflação. O indicador de expectativas para os próximos seis meses subiu de 51,6 pontos em dezembro para 54,7 pontos em janeiro. Mas os empresários continuam percebendo piora da situação atual da indústria e da economia. O indicador de condições atuais subiu de 40,7 para 41,2 pontos entre janeiro e dezembro, ainda bem abaixo da linha divisória dos 50 pontos.

A pesquisa ouviu 2.791 empresas em todo o país entre 3 e 13 de janeiro. Dessas, 1.088 são pequenas empresas, 1.056 são médias e 647 são de grande porte.


leia também

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

Acordos comerciais fortalecem exportação catarinense - A indústria de cerâmica é uma das primeiras beneficiadas

Alta no preço do gás natural surpreende indústria de SC - Tarifa do insumo recebeu elevação média de 10%

As jabuticabas tributárias fazem o Brasil ser injusto - Opinião é de Rafael Nichele, novo presidente do IET

Atividade econômica do Sul cai 2,5% em 2015 - Queda foi puxada por desempenho negativo do comércio e da indústria

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: