Vinicultor nos EUA revela o custo de produzir a bebida

Quem, no Brasil, teria tamanha coragem de fazer o mesmo?

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Vinicultor nos EUA revela o custo de produzir a bebida

A Bloomberg trouxe uma história interessante no início deste ano. A publicação especializada em finanças contou a história de Mark Tarlov, vinicultor estabelecido no Vale de Willamette, no Oregon (EUA). No último trimestre de 2015, ele começou a fazer o levantamento dos custos que tinha para fabricar a bebida e dividiu o total por garrafa. Por fim, calculou um preço final obtendo margem de lucro de 45%. Depois decidiu criar um site que usaria para vender o vinho – e também mostrar todos os custos envolvidos. Tarlov talvez seja o único vinicultor do mundo que revela aos clientes exatamente as razões pelas quais cobra determinado preço.

O pequeno lote de Pinot Nnoir, chamado Alit, é vendido por US$ 27,45 a garrafa. Pelos cálculos do vinicultor, o barril custa US$ 1,1 por unidade. O cultivo e a colheita absorvem outros US$ 5,66. E a embalagem, caixas especiais de papelão para entrega que não exigem proteção extra, custa US$ 2,88 (veja lista completa na tabela a seguir). O vinho é vendido diretamente aos consumidores – assim como muitos outros. O que realmente o diferencia é a maneira pela qual é precificado. O valor da maioria dos vinhos é fixado de acordo com a qualidade e com o tipo de cliente que a vinícola deseja atingir – e não com base no custo das garrafas ou dos barris, por exemplo. O preço, como sabemos, é ditado pela marca. No entanto, Tarlov está fazendo justamente o oposto. 

Fases de produção

Custo (US$)

Cultivo e colheita

5,66

Funcionários

2,14

Equipamentos da vinícola

3,31

Barris de carvalho francês

1,11

Engarrafamento, rótulo e caixa

2,88

Custo total

15,10

Margem (45%)

12,35

Preço final*

27,45

*Não inclui frete

O modelo de negócios de cálculos transparentes foi adotado em outros setores de varejo. “A marca Everlane construiu um império no segmento de vestuário ao se dirigir diretamente a clientes na internet para detalhar custos de materiais, transportes e taxas para cada peça. Para alguns itens, a empresa até permite que os clientes escolham o preço, e o menor preço não proporciona nenhum tipo de lucro. A ideia também se espalhou entre outras start-ups, como a fabricante de bolsas Oliver Cabell. O que está nas entrelinhas: os intermediários estão sendo eliminados e tanto os criadores quanto os consumidores estão recebendo mais pelo dinheiro que investem e gastam”, afirma a publicação. 

Praticamente todo vinicultor do mundo vende diretamente aos consumidores, mas normalmente eles dão justificativas por venderem pelos mesmos preços das lojas de varejo. Assim, não prejudicam seus parceiros no atacado e também embolsam ganhos significativos. Os distribuidores e varejistas que vendem outros vinhos de Tarlov ainda não fizeram nenhum tipo de retaliação, pelo menos por enquanto. "Mas soou o alarme e irá soar ainda mais alto. Mas eu adoraria ser aquele que irá destruir o meu próprio negócio", afirmou Tarlov para a Bloomberg. 

Há quem diga que fabricar uma garrafa de um vinho simples no Brasil não custa mais que R$ 2, R$ 3, quem sabe R$ 4. E o rótulo é vendido na gôndola por até R$ 18. Naturalmente que metade desse preço final é engolido pelos impostos cobrados em cascata ao longo de toda cadeia produtiva. Apenas por esse fator, o preço da bebida poderia ser muito mais em conta – o que facilitaria a multiplicação do hábito do consumo diário. Mas quem, aqui no Brasil, teria tamanha coragem em revelar em detalhes o custo da produção? O desafio está lançado. E o Cepas & Cifras, é claro, abrirá espaço para o empresário que quiser apresentar seus números com toda a transparência. 


leia também

A arte do vinho na tela do computador - Alguns canais do YouTube para quem deseja aprender

A fórmula da Herbarium para multiplicar vendas no Brasil - Fabricante de fitoterápicos do Paraná projeta crescer 10% com e-commerce

Abilio Diniz se torna sócio minoritário da Wine - Valor da transação do e-commerce de vinhos, que pertence ao Grupo RBS, não foi revelado

ABS-RS inicia fase de captação de sócios - Entidade também lotou as vagas para a formação da quinta turma de Sommeliers

Aprenda a tomar vinho com Christian Grey - Personagem de Cinquenta Tons de Cinza tem algo a ensinar

Bento Gonçalves anuncia projeto para fomentar turismo de incentivo - Capital Nacional do Vinho lança guia de atividades para empresas que desejam bonificar funcionários com viagens

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: