Trump promete criar muitos empregos nos EUA

Presidente eleito afirmou que tem trabalhado pelo governo ativamente

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Coletiva do presidente eleito dos EUA, Donald Trump

Depois de quase um mês, o presidente eleito Donald Trump concedeu sua primeira entrevista oficial à imprensa depois que venceu as eleições para a presidência dos Estados Unidos em novembro. Ele tomará posse em 20 de janeiro. A entrevista ocorre na Trump Tower, em Nova York, edifício onde funciona o escritório de negócios do bilionário. O evento foi transmitido em rede nacional de televisão.

Trump prometeu que vai ser "o maior produtor de empregos que Deus já criou". Ele afirmou que esteve muito ativo trabalhando pelo governo nas últimas semanas, principalmente no setor econômico, e que haverá grandes notícias na próxima semana no setor automotivo, com a construção de uma grande fábrica. Disse também que é preciso reativar a indústria farmacêutica do país. Segundo o presidente eleito, durante seu mandato, se as empresas quiserem se mudar dos Estados Unidos para o México e demitir seus funcionários em Estados americanos, elas terão de pagar altos impostos para vender produtos em solo norte-americano.

O presidente eleito disse estar orgulhoso da equipe que está formando. Segundo ele, o país tem perdido muito recentemente. "Não fazemos mais bons negócios", criticou. Questionado sobre o sistema de saúde, o presidente eleito reafirmou que o Obamacare é um "desastre completo e total", e que todos ficarão orgulhosos do que ele irá fazer com o cuidado de saúde no país. Trump noticiou, inclusive, que será apresentado um programa que substitua o Obamacare.

Trump também anunciou um plano para se afastar de suas empresas enquanto estiver na presidência. Seus dois filhos, Eric e Donald Jr., dirigirão os negócios nas organizações com seu nome durante o período, e que eles não irão consultá-lo sobre decisões que terão de ser tomadas. Negócios com outros países não serão feitos pela empresa de Trump durante seu governo, e que negócios internos, dentro dos Estados Unidos, serão analisados para evitar conflitos. Trump contou ainda que recebeu uma oferta de US$ 2 bilhões para fazer um negócio em Dubai e que a recusou. "Eu não precisaria ter recusado, pois como vocês sabem, não tenho conflitos de interesse por ser presidente. Mas eu não quero tomar vantagem de nada", reiterou.

Rússia
Trump agradeceu a um setor da mídia que não vem publicando as supostas informações comprometedoras sobre as suas relações com a Rússia. Ele disse que o noticiário publicado sobre o assunto pode ser originário de vazamentos da agência de inteligência. Segundo Trump, se isso de fato ocorreu, seria "uma tremenda mancha em seu registro se elas [agências de inteligência] fizeram isso."

Antes de Trump, o vice-presidente eleito Mike Pence também mencionou brevemente as notícias sobre um suposto relacionamento do presidente eleito com a Rússia. Ele afirmou que as notas sobre o assunto decorrem de "decisão irresponsável de algumas organizações de notícias para correr com um relatório falso e sem fundamento".

leia também

"Carnaval à vista" - Embora reconheça a exuberância da festa carioca, é para o eixo Recife-Olinda que se voltam meus afetos

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A dança e a guerra - A informação excessiva é uma corruptela do consumismo e, a seu modo, cria um fundamentalismo

A luz no final do túnel é um trem chinês - O país de proporções gigantescas mantém a estratégia de crescer

A necessidade de controlar a internet nas empresas - O mau uso pode causar até mesmo demissão por justa causa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: